Depois da Uber, Bolt também reduz preço das viagens

Tal como a Uber, também a Bolt vai reduzir o preço das viagens. Apesar da descida, diz que motoristas até poderão obter maior rendimento com as viagens já que espera atrair mais utilizadores.

Depois de a Uber ter anunciado uma redução do preço das viagens, o que acabou por gerar contestação por parte dos condutores, a Bolt decidiu fazer o mesmo, procurando dar resposta à concorrência. A aplicação já está a informar os motoristas sobre a atualização, que entra em vigor já esta quarta-feira.

Para darmos continuidade à nossa proposta de valor em 2020 e disponibilizarmos um serviço de qualidade a um preço acessível, iremos reduzir o preço das viagens”, disse fonte oficial da Bolt ao ECO.

A descida dá-se nas três componentes usadas no cálculo do preço final: a tarifa base cobrada assim que o passageiro entra no automóvel, o preço por quilómetro e o preço por minuto.

No caso do serviço mais básico da Bolt em Lisboa e no Porto, a tarifa base cai de 90 cêntimos para 84 cêntimos e a empresa passa a cobrar 55 cêntimos por quilómetro (antes cobrava 59 cêntimos) e 8 cêntimos por minuto (antes cobrava 9). O preço mínimo é de 2,49 euros.

No Algarve, a variação é diferente. O preço por quilómetro cai de 68 cêntimos para 65 cêntimos e o preço por minuto desce em linha com as duas restantes cidades portuguesas, para os mesmos 8 cêntimos. Neste caso, porém, a empresa sobe a tarifa base de 85 cêntimos para 93 cêntimos, equiparando-se à concorrência.

A aplicação de transporte reduz também os preços no serviço Verde, que recorre a veículos elétricos, e no serviço XL, que permite transportar até seis passageiros de uma só vez. No caso do XL, os valores passam para 1,77 euros de base, 0,98 euros por quilómetro e 14 cêntimos por minuto, sendo o mínimo de 3,60 euros.

A Bolt reage, assim, à descida de preços anunciada pela líder de mercado, a Uber, que anunciou, no arranque do ano, que iria descer os preços das viagens em Portugal continental, sendo que as descidas podem chegar mesmo aos 10% no caso do serviço Uber X.

Esta medida não foi bem recebida pelos motoristas que argumentam que a redução de preços vai diminuir a margem de lucro por viagem para “níveis insustentáveis”. Nesse sentido, foram já convocados vários protestos por parte dos motoristas, sendo que o mais recente aconteceu esta terça-feira no Porto.

Numa tentativa de assegurar uma transição suave para os novos tarifários e para colmatar essa perda para os motoristas, a Uber criou um plano de “incentivos personalizados”, por forma a que os motoristas possam obter o rendimento médio dos últimos meses. Ao que o ECO apurou, em alguns casos, os motoristas poderão ter de trabalhar 75 horas numa semana, caso queiram aceder ao bónus.

"[Descida de preços] irá representar também um aumento dos rendimentos para os motoristas, que poderão realizar mais viagens.”

Bolt

Fonte oficial

No caso da Bolt, a empresa não acredita que a baixa de preços que está a implementar, e a comunicar por email aos condutores que utilizam a plataforma, gere o mesmo desconforto. Defende que com valores inferiores conseguirá atrair mais utilizadores, permitindo aos motoristas obterem até mais rendimentos.

Esta descida de preços “irá representar também um aumento dos rendimentos para os motoristas, que poderão realizar mais viagens e usufruir das mesmas condições com as quais a Bolt se comprometera desde o início — ser a plataforma com a comissão mais baixa e que paga mais por km e por minuto aos motoristas”, diz fonte oficial da empresa. A Bolt cobra aos motoristas 15% do valor total de cada viagem.

Além disso, de acordo com a informação enviada aos motoristas, a Bolt garante que irá aumentar o investimento em marketing para continuar a aumentar o número de viagens, mas também irá, à semelhança do que fez a Uber, apostar nos bónus. Diz que vai “aumentar o investimento em bónus para os motoristas”.

(Notícia atualizada às 13h53 com comparação com as tarifas anteriores)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Depois da Uber, Bolt também reduz preço das viagens

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião