Empresas fazem fila para assinar Pacto de Mobilidade em Lisboa

Com novas adesões em fevereiro, a BCSD Portugal está também a planear a exportação da ideia de um Pacto de Mobilidade para outras cidades europeias e mundiais, como Milão ou Buenos Aires.

Em dezembro, 57 empresas assinaram o Pacto de Mobilidade para a Cidade de Lisboa, uma iniciativa do World Business Council for Sustainable Development (WBCSD), da Câmara Municipal de Lisboa e do BCSD Portugal – Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável. Além destas, pelo menos mais uma dezena de empresas com presença na capital portuguesa ficaram em lista de espera para assinar este Pacto, que sugere 24 medidas concretas para melhorar a mobilidade no perímetro urbano. Destas, as empresas signatárias têm de escolher duas medidas para implementar no prazo máximo de dois anos.

Com a lista de espera a aumentar, para o próximo mês de fevereiro está já marcada uma nova ronda de assinaturas, com as inscrições ainda a decorrer junto da BCSD Portugal, que está também a planear a exportação da ideia de um Pacto de Mobilidade para outras cidades europeias e mundiais, como Milão ou Buenos Aires.

“Trata-se de um projeto-piloto em Lisboa que o BCSD quer replicar noutras cidades interessadas, como Milão e Buenos Aires. Estamos à espera do estudo de caso de Lisboa para aplicar a réplica do Pacto de Mobilidade noutros países”, revelou ao Capital Verde João Meneses, secretário-geral do Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável.

Até agora o Pacto foi assinado por empresas como a Accenture; Acciona; Adene; ANA – Aeroportos de Portugal; Arcadis; Banco Atlântico Europa; Barraqueiro Transportes; BNP Paribas; Brisa; Caetano Auto; Carris; Circ; Crédito Agrícola; CTT; DECO; Deloitte; DHL Express Portugal; DPD; Eaton; eCooltra; EDF Renewables Portugal; EDP; Efacec; El Corte Inglês; EMEL; Epal; EY; Fujitsu; Fundação Salesianos; Galp; Grupo Ageas Portugal; Grupo Pestana; Hertz; IKEA Portugal; Imprensa Nacional Casa da Moeda; Infraestruturas de Portugal; Kia Portugal; Logistema; Lojas Francas de Portugal, S.A.; Loyal Advisory; Mercedes-Benz Portugal; Metropolitano de Lisboa E.P.E.; Millennium bcp; Nissan Portugal; PwC; Repsol; Rodoviária de Lisboa; Santander; Schneider Electric; SGS Portugal; Siemens; Siva; Tecnoplano; TIS; TramGrid; Uber e Vodafone. Para verificar a progressão da implementação das medidas a BCSD Portugal terá reuniões semestrais com as empresas.

Entre as sugestões do documento estão medidas tão concretas como ter duches na empresa para quem se deslocar de bicicleta para o trabalho poder tomar banho, frotas de bicicletas e respetivo parqueamento, prioridade para carros elétricos ou de mobilidade partilhada, pagamento do passe para transportes públicos coletivos, teletrabalho para reduzir deslocações de trabalhadores, migração da frota automóvel para elétricos, pontos de carregamento, enumera João Meneses, em entrevista ao Capital Verde.

“Vamos ter uma segunda ronda de assinaturas em fevereiro, porque ficámos com pelo menos 10 empresas em lista de espera. Mas há mais, as inscrições ainda não estão fechadas. Por exemplo, a ALD Automotive, uma empresa de renting e gestão de frotas da Societé Generale e que gere 22 mil carros em Portugal, disse que se aderissem ao Pacto comprometiam-se a substituir uma percentagem considerável desta frota para elétrico. O interesse pela mobilidade mais sustentável agora vem dos próprios CEO das empresas e não de um qualquer diretor emprateleirado, como no passado”, sublinha o presidente da BCSD Portugal.

O Pacto de Mobilidade foi criado como uma resposta ao desafio do presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, para quem “a descarbonização se apresenta como o maior desafio da nossa geração. Necessitamos de reduzir as nossas emissões e tornar todos os tipos de transporte mais sustentáveis. Todos os dias contam e todas as ações são importantes”.

“O Pacto de Mobilidade Empresarial em Lisboa define o caminho para o sucesso e necessitamos que outras empresas e outras cidades do mundo utilizem este modelo para a sua própria transformação e para apoiar o crescimento inclusivo e sustentável”, disse Peter Bakker, presidente e CEO do WBCSD, em comunicado. Segundo Miguel Gaspar, Vereador da Mobilidade da Câmara Municipal de Lisboa, “a cidade irá fornecer as condições necessárias para garantir que os compromissos serão mensurados e que o diálogo continue”.

Também para o setor privado a assinatura deste Pacto é bastante relevante: “Enquanto líderes de algumas das empresas mais sustentáveis do mundo, devemos intensificar os esforços e trabalhar com outras empresas, clientes, cadeias de valor e cidades, de forma a alavancar o desenvolvimento de soluções concretas e alcançar a transformação da mobilidade sustentável”, afirmou António Mexia, CEO da EDP, no mesmo comunicado.

“A transformação faz-se com persistência e com coerência, e Lisboa dá-nos um bom exemplo de ambas, quando a Câmara mantém a agenda que definiu para si própria, e quando a Câmara, as empresas e o WBCSD são capazes de materializar no presente, aquilo que já foi só uma visão de longo prazo”, disse por seu lado Vasco de Mello, Presidente e CEO da Brisa.

Sobre a exportação do projeto, Peter Oosterveer, CEO da Arcadis, disse ter “a ambição de desenvolver Pactos de Mobilidade Empresarial noutras cidades do mundo, utilizando a cidade de Lisboa como modelo de sucesso para a colaboração público-privada”.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Empresas fazem fila para assinar Pacto de Mobilidade em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião