Queda das audiências dá prejuízos à TVI. Grupo perde quase 55 milhões em 2019

A dona da TVI registou prejuízos de quase 55 milhões de euros em 2019, ano em que perdeu a liderança das audiências para a SIC. Grupo tinha dado lucro em 2018.

A Media Capital, empresa que controla a TVI, registou prejuízos de quase 55 milhões de euros em 2019, o ano em que perdeu a liderança das audiências para a SIC. No ano anterior, em 2018, o grupo tinha lucrado quase 22 milhões de euros.

“O resultado líquido acumulado foi de -54,7 milhões milhões de euros, comparando com os 21,6 milhões de euros verificados no ano anterior, com a redução a advir, na maior parte, do reconhecimento de imparidades de goodwill, bem como do desempenho operacional”, justifica a Media Capital num relatório enviado à CMVM.

O EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) da Media Capital passou de 40,2 milhões em 2018 para -40,4 milhões no ano passado, com a margem de EBITDA a evoluir de 22,1% para -24,5% em 2019.

Estes resultados surgem depois de um ano em que a SIC “roubou” à TVI a liderança das audiências, ultrapassando a estação de Queluz de Baixo por uma margem de 3,6 pontos percentuais. Além disso, surgem em pleno processo de venda da Media Capital pela Prisa à Cofina, dona do Correio da Manhã, a um enterprise value de 205 milhões de euros. Este montante já inclui um desconto de 50 milhões devido à degradação das contas do grupo.

No ano passado, as receitas da Media Capital caíram 9%, para 165,12 milhões de euros, fruto da menor receita com o segmento da televisão. Esta linha de receita gerou para a Media Capital 131,82 milhões de euros, menos 13% do que no ano de 2018. Em contrapartida, as receitas com a produção audiovisual da Plural cresceram 1%, para 33,1 milhões de euros, enquanto o segmento “Rádio e entretenimento” cresceu 19%, para 24,5 milhões de euros.

Esta é, porém, a primeira vez que a Media Capital apresenta as receitas da rádio e as de entretenimento em conjunto: “Devido ao facto de uma parte relevante da atividade das empresas de entretenimento (composta sobretudo pela produção e realização de eventos) ter a sua performance monitorizada em conjunto com a atividade de rádio, o grupo Media Capital optou por passar a reportar estas atividades num único segmento operacional”, justifica a empresa.

Analisando por negócio, os rendimentos com publicidade da Media Capital encolheram 10% em 2019, fixando-se em 112,3 milhões de euros. A queda é explicada com a menor receita com publicidade no segmento da televisão, que registou uma redução de 15%, para 87,86 milhões de euros. No caso da rádio, a Media Capital, dona da Comercial, viu a publicidade crescer 13%, para 20,9 milhões no ano passado.

No plano das despesas, os gastos operacionais da Media Capital dispararam 45% no ano passado, para 205,6 milhões de euros. A subida é explicada pelo crescimento de 155% nos gastos com reestruturações, mas, sobretudo, pelas imparidades de goodwill com a operação da venda do ativo pela Prisa à Cofina: “Para o testing anual de imparidade de goodwill efetuado em 2019, o grupo tomou como referência de valorização a operação em curso de venda da totalidade da participação do principal acionista”, explica a empresa.

Desta feita, as imparidades de goodwill registadas pela Media Capital no ano passado alcançaram 57,3 milhões de euros, “dos quais 55,4 milhões de euros no segmento de televisão e 1,9 milhões de euros no segmento de produção audiovisual”. No entanto, o grupo liderado por Luís Cabral garante que “estas imparidades em nada afetam a atividade operacional do grupo, nem a sua capacidade financeira”, destaca a empresa no mesmo relatório.

Quanto à dívida, a 31 de dezembro de 2019, o grupo Media Capital registava uma dívida líquida de 88,5 milhões de euros. Trata-se de uma redução de 4,3 milhões de euros face ao final de 2018.

Atualmente, está em curso o aumento de capital de 85 milhões de euros pela Cofina, operação que financiará, em parte, a compra da Media Capital. No passado dia 20 de fevereiro, terminou o prazo para a aquisição no mercado de ações da Cofina com direitos de preferência na subscrição das novas ações.

A Cofina espera concluir a compra da Media Capital na segunda semana de março, altura em que finaliza, também, o aumento de capital. A fusão entre os dois grupos já foi validada pela Autoridade da Concorrência e a Entidade Reguladora para a Comunicação Social já validou a mudança de titularidade a favor da Cofina de todos os títulos detidos pela Media Capital.

(Notícia atualizada pela última vez às 17h42)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Queda das audiências dá prejuízos à TVI. Grupo perde quase 55 milhões em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião