Coronavírus arrasa Wall Street. É a pior semana desde 2008

O S&P 500 desvalorizou pela sétima sessão consecutiva, tendo registado a maior queda semanal desde a crise financeira de 2008. Coronavírus assusta investidores.

Pela sétima sessão consecutiva, os mercados norte-americanos encerraram as negociações em terreno negativo. A rápida propagação do coronavírus e as consequências dessa epidemia na economia mundial continuam a preocupar os investidores e levaram Wall Street a registar a pior semana desde a crise financeira de 2008, de acordo com a Reuters.

Na sessão desta sexta-feira, o S&P 500 caiu 1,57% para 2.931,95 pontos. É preciso recuar até outubro de 2008, no pico da crise financeira, para encontrar uma semana mais negra (no que diz respeito à queda percentual) nas bolsas do que esta que agora termina.

E depois de ter registado a pior queda de sempre (em pontos), o industrial Dow Jones desvalorizou 2,05% para 25.238,74 pontos, esta sexta-feira. No vermelho, ficou também o tecnológico Nasdaq, que recuou 0,6% para 8.515,07 pontos. Para estes dois índices, esta também foi a pior semana deste outubro de 2008.

Os receios de que o coronavírus esteja perto de ser tornar uma pandemia está a assustar os investidores e a pressionar os mercados de todo o mundo. E apesar de Donald Trump ter garantido que o risco é “muito baixo” nos Estados Unidos, duas fontes citadas pela Reuters indicam que a Casa Branca está a ponderar forçar a expansão da produção de máscaras protetoras para ajudar na “luta” contra este vírus.

Esta quinta-feira, o presidente da Reserva Federal norte-americana adiantou, além disso, que o banco central irá agir “de forma apropriada” para apoiar a economia face aos riscos resultantes da epidemia de coronavírus. Ainda assim, Jerom Powell deixou claro que, por agora, a economia mantém a sua “boa forma”. “Os fundamentos da economia dos Estados Unidos continuam fortes“, disse, acrescentando que os riscos decorrentes do surto em causa serão monitorizados pela Fed.

“A incerteza que paira sobre os mercados só será aliviada quando chegar o sentimento de que o pior já passou“, explica o analista Quincy Krosby, da Prudential Financial Inc, citado pela Reuters.

Na sessão desta sexta-feira, destaque para a farmacêutica Mylan, cujos títulos caíram 7,98% para 17,19 dólares face ao coronavírus.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coronavírus arrasa Wall Street. É a pior semana desde 2008

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião