Covid-19: Goldenergy oferece um mês de energia a 6.000 clientes com perdas de rendimentos

Este apoio será atribuído a um máximo de 6.000 clientes, enquanto a situação de alerta por causa do coronavírus decretada pelo Governo durar, ou até que se esgote o valor do fundo de 300 mil euros.

Num momento em que circula online uma petição pública para a “suspensão de cobrança de prestação/renda e dos serviços básicos de água, luz e gás”, a comercializadora Goldenergy decidiu avançar com a criação de um fundo no valor de 300 mil euros com vista a “pagar um mês de energia aos clientes que na presente situação extraordinária podem ser mais afetados pelas consequências económicas derivadas da pandemia Covid-19, que os obriga a ficar em casa, tendo assim um período de maior consumo energético.

De acordo com a empresa, comprada no final de 2018 ao grupo português Dourogás pela suíça Axpo, este apoio será atribuído a um máximo de 6.000 clientes, enquanto esta situação de alerta decretada pelo Governo durar, ou até que se esgote o valor do fundo de 300 mil euros constituído para este efeito, “equivalente aos lucros da empresa em 2019”.

Para terem acesso a este auxílio, os clientes da Goldenergy têm de comprovar a sua situação de perda de rendimento devido à Covid-19, ligando para a linha telefónica gratuita 800 500 292, que estará ativa a partir do dia 18 de março.

Entretanto, na região autónoma da Madeira, o Governo regional anunciou a decisão de isentar do pagamento dos valores do consumo da eletricidade e água todos os contribuintes localizados na região. “Considerando a situação de alerta em todo o território da Região Autónoma da Madeira, o Governo Regional declara, como medida de apoio a todos os cidadãos, da Madeira e Porto Santo, todas as empresas localizadas na região, que vai isentar do pagamento do valor respeitante ao consumo de eletricidade e água, entre os dias 16 e 31 de março de 2020”, declarou Miguel Albuquerque. O governante insular acrescentou que a medida abrange “todos os contribuintes localizados na Região Autónoma da Madeira, particulares, famílias, empresas, instituições de caráter social, desportivo e cultural”. No continente, no entanto, ainda não se verificou uma iniciativa semelhante, nem no mercado regulado, nem no mercado livre de eletricidade e gás.

“A Goldenergy, comercializadora de gás comercializadora de gás natural e eletricidade 100% verde, seguindo a sua vertente de responsabilidade social e querendo dar o seu apoio nesta altura em que se vive um estado de alerta decretado pelo Governo, decidiu criar um fundo de 300 mil euros, equivalente aos lucros obtidos em 2019, para ajudar os seus clientes atuais mas também novos clientes, que podem ver os seus rendimentos afetados pela situação de pandemia, ao mesmo tempo que estarão forçosamente mais tempo em casa e com um consumo energético mais elevado”, anunciou a empresa em comunicado.

Nas palavras de Miguel Checa, diretor-geral da Goldenergy, “a empresa adota esta iniciativa, de forma humilde e dentro das nossas possibilidades. É um esforço significativo para a Goldenergy, mas estamos convencidos que as empresas têm que olhar para todos os grupos de interesse das mesmas, que são, não só os acionistas, mas também os colaboradores, clientes, e a sociedade em geral. Esse é o nosso caminho de sustentabilidade. É hora de sermos responsáveis e que todos devemos ajudar”.

Como vai funcionar o Fundo

A Goldenergy, empresa do grupo suíço Axpo, vai oferecer um mês de eletricidade e gás aos clientes atuais ou novos que venham a sofrer uma situação de perda de rendimentos causada pelo estado de alerta devido à Covid-19, isto enquanto esta situação de alerta decretada pelo Governo durar ou até que se esgote o valor do fundo de 300 mil euros constituído para este efeito ou até um máximo de 6.000 clientes (primeiros pedidos válidos).

Em termos práticos, a Goldenergy vai disponibilizar, a partir do dia 18 de março, uma linha telefónica gratuita com o número 800 500 292. Os operadores (em teletrabalho) que estarão a atender esta linha, pedirão ao interessado para comprovar a sua situação de perda de rendimento devido à Covid-19. Os interessados poderão consultar mais informações em http://www.goldenergy.pt/covid19, que estará disponível em breve.

Os clientes Goldenergy que podem receber a ajuda da empresa têm de obedecer a pelo menos um dos seguintes critérios, já previamente definidos pelo Governo no âmbito das ajudas estatais:

  • Ser trabalhador por conta de outrem ou independente que tenha de ficar em casa a
    acompanhar os filhos até 12 anos;
  • Ser trabalhador envolvido em processo de layoff na sequência da quebra de atividade pela
    Covid-19.;
  • Ser trabalhador por conta de outrem ou independente infetado.
  • Uma vez comprovado que o requerente se enquadra nos parâmetros definidos, o processo será
    ativado e, a partir dessa data, a primeira fatura emitida de gás e/ou eletricidade deste cliente
    Goldenergy terá um desconto de 100%.

“Esta é uma forma de a Goldenergy ajudar quem mais precisa, complementando dentro da sua disponibilidade toda as ajudas públicas e outras que estão a ser ativadas. Não podemos ajudar todos, mas queremos contribuir para a sociedade em que vivemos. Pedimos por isso que nesta situação cada um peça ajuda apenas se realmente precisar e se estiver enquadrado nos parâmetros definidos, para que assim o Fundo da Goldenergy possa ajudar as pessoas que realmente mais precisam”, remata Miguel Checa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Goldenergy oferece um mês de energia a 6.000 clientes com perdas de rendimentos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião