5 coisas que vão marcar o dia

O Conselho de Ministros reúne-se para avaliar os termos da renovação do estado de emergência. E são conhecidos novos dados que permitem perceber o impacto do vírus na economia nacional e da Europa.

Esta quarta-feira de tarde o Conselho de Ministros reúne-se para avaliar os termos da renovação do estado de emergência, isto é, se será necessário juntar mais medidas às já aprovadas nas últimas semanas. E os efeitos das medidas ao abrigo desse estado já deverão fazer sentir-se nas vendas de carros em Portugal em março. Na Europa, o Covid-19 deverá mostrar o seu impacto nos dados do PMI da indústria referentes a março.

Conselho de Ministros reúne-se para avaliar estado de emergência

Segundo a agenda do primeiro-ministro, o Conselho de Ministros reúne-se esta quarta-feira às 15h00 para avaliar os termos da renovação do estado de emergência. O Executivo decidirá se pretende aumentar a dureza das medidas que têm como objetivo combater a propagação do novo coronavírus e evitar um pico de procura que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) não aguente. O Presidente da República deverá decidir o prolongamento do estado de emergência na quinta-feira, sendo que nesse mesmo dia de manhã o Parlamento debaterá essa possibilidade.

Vendas de carros afundam em março?

A Associação Automóvel de Portugal (ACAP) divulga as vendas de carros em março, sendo expectável uma queda expressiva face às medidas de contenção aplicadas em território nacional na segunda quinzena do mês, nomeadamente o encerramento dos stands de automóveis (as oficinas continuam abertas). Em fevereiro, as vendas de automóveis em Portugal aumentaram 5%, para 23.038 carros, face ao mesmo período do ano passado.

Banco de Portugal divulga dívida pública de fevereiro

O banco central vai divulgar a evolução da dívida pública em fevereiro, o último mês em que ainda não deverá ser visível qualquer impacto da pandemia. O IGCP já revelou que vai emitir dívida extra, cerca de 250 milhões de euros por emissão face ao programado, por causa do aumento dos encargos do Estado. A dívida pública tinha arrancado o ano com uma subida de 2,3 mil milhões de euros para os 252,1 mil milhões de euros.

PMI da indústria e taxa de desemprego da Zona Euro

A consultora IHS Markit vai divulgar o PMI da indústria da Zona Euro relativo a março, um indicador avançado de como reagiu este setor às medidas de confinamento por causa da pandemia. Na semana passada, de forma inédita, a estimativa rápida do PMI do conjunto da economia da Zona Euro apontou para um colapso de 51,6 em fevereiro para 31,4 em março, o valor mais baixo da série.

Além disso, o Eurostat vai divulgar a taxa de desemprego definitiva de janeiro e a provisória de fevereiro. Em Portugal, o Instituto Nacional de Estatística (INE) revelou esta terça-feira que a taxa de desemprego foi de 6,7% em janeiro e 6,5% em fevereiro. Os dados de março, mês no qual já se sentirá o impacto da pandemia, serão conhecidos daqui a um mês.

Arranque do segundo trimestre de 2020 na economia e nos mercados financeiros

Após um trimestre horribilis, vem aí um trimestre ainda pior? Esta é a pergunta que se coloca tanto para os mercados financeiros como para a economia. Nos mercados, o PSI-20 deu o maior trambolhão trimestral desde o período em que os Estados Unidos se preparavam para voltar a invadir o Iraque, no pós-11 de setembro, mas não é certo que os investidores possam “respirar de alívio”. Já a economia deverá sofrer de forma mais significativa no segundo trimestre dado que existe a expectativa de que as medidas de confinamento vão manter-se durante grande parte dos próximos três meses.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que vão marcar o dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião