Disney dispara 10% e puxa por Wall Street

Os mercados norte-americanos arrancaram a sessão acima da linha de água. Os resultados "animadores" da Disney e das empresas do setor dos cuidados de saúde estão a animar Wall Street.

Wall Street abriu a terceira sessão da semana em “terreno” positivo, estando as praças animadas face aos resultados trimestrais das empresas dedicadas aos cuidados de saúde e da Disney. A gigante do entretenimento infantil surpreendeu os investidores com números melhores do que os esperados, face à pandemia de coronavírus, e anunciou que irá lançar uma nova plataforma de streaming no próximo ano.

O índice de referência nos mercados norte-americanos, o S&P 500, sobe 0,42% para 3.320,26 pontos. Também o tecnológico Nasdaq e o industrial Dow Jones valorizam, esta tarde. Sobem 0,25% para 10.968,32 pontos e 0,61% para 26.992,18 pontos, respetivamente.

Na sessão desta quarta-feira, destaque para os títulos da Disney, que somam 10,01% para 129,03 dólares. Ainda que tenha perdido mais de 4,2 mil milhões de dólares por ter fechado os parques de diversão, a gigante do entretenimento infantil conseguiu surpreender os investidores com resultados melhores do que os esperados e com o anúncio do lançamento do novo filme “Mulan” na sua plataforma de streaming, o Disney+, por um preço adicional.

O CEO da Disney também avançou que, em 2021, será lançado um novo serviço de streaming com conteúdo mais generalista, nomeadamente da ABC Studios, da Fox, da FX, Freeform, da 20th Century Studios e da Searchlight.

A dar gás a Wall Street estão também as cotadas do setor dos cuidados de saúde. Os títulos da CVS Health Corp sobe 0,48% para 65,29 dólares, depois de ter revisto em alta as previsões de lucro para este ano. Também as ações da Humana Inc e da farmacêutica Regeneron Pharmaceuticals Inc valorizam, depois de terem ultrapassado os resultados estimados para o trimestre mais recente. Sobem 1,96% para 398,86 dólares e 0,58% para 652,16 dólares, respetivamente.

Na energia, as ações da Exon Mobil Corp sobem 1,49% para 44,13 dólares e as da Chevron Corp valorizam 1,71% para 87,97 dólares, numa sessão em que os preços do petróleo estão em máximos de março.

Os investidores têm, de resto, os olhos postos na economia norte-americana e aos sinais de estagnação face à pandemia de coronavírus, o que deverá reforçar a necessidade dos novos estímulos que estão a ser negociados, atualmente, no Congresso dos Estados Unidos. Esta quarta-feira, foi adiantado, além disso, que foram criados 167 mil empregos, nos Estados Unidos, em julho, número bastante inferior ao esperado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Disney dispara 10% e puxa por Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião