Há “mais de 600 mil utilizadores” do Microsoft Teams nas escolas portuguesas

A pandemia atirou o Microsoft Teams para a estratosfera. Só nas escolas portuguesas, a plataforma de videoconferências tem "mais de 600 mil utilizadores", revelou a diretora-geral da empresa.

A Microsoft Portugal tem já “mais de 600 mil utilizadores” da plataforma Teams nas escolas portuguesas, um número explicado com a entrada em vigor do ensino exclusivamente remoto depois das férias da Páscoa. O número foi revelado pela diretora-geral da empresa, Paula Panarra, num evento virtual com jornalistas.

A gestora recusou dar mais informação sobre a plataforma de videoconferências, uma das que ganhou milhões de utilizadores em todo o mundo com o surgimento da pandemia. Falando em “aumentos de centenas de milhares de utilizadores” em Portugal, Paula Panarra garantiu ainda que o Teams é o aplicativo deste tipo que “tem maior penetração” no mercado nacional, escusando também avançar mais detalhes.

O Microsoft Teams é uma aplicação multiplataforma que permite fazer videoconferências com dezenas de participantes. Aplicações como Zoom e Slack são os principais concorrentes. No caso do Teams, o aplicativo está também preparado para facilitar o ensino à distância e tem sido usado por muitas escolas e professores este ano, sobretudo na fase final do ano letivo anterior, em que foi suspenso o ensino presencial por causa da crise sanitária. O serviço Teams é gratuito para as escolas, de acordo com a gestora.

Mais de 60% da faturação está na “nuvem”

Os tempos em que a Microsoft era apenas conhecida pelo sistema operativo Windows estão a ficar cada vez mais para trás. A multinacional assinala este ano 30 anos de presença no mercado português, sendo que, segundo a diretora-geral, “mais de 60% da faturação” da Microsoft Portugal já vem da prestação de serviços na cloud. Esta percentagem era de cerca de 50% em 2018.

“Desde 2016, duplicámos a nossa presença em Portugal. O nosso país teve um desenvolvimento grande do ponto de vista de talento e é um país que tem atraído pessoas de várias nacionalidades. A nossa missão é capacitar o desenvolvimento económico do país através de tecnologia, cada vez de tecnologia na cloud“, afirmou Paula Panarra.

A Microsoft Portugal tem um ecossistema de parceiros composto por 3.000 empresas, uma parceria que “permite gerar valor”. A empresa indica ainda ter 68 parceiros que, tendo sede em Portugal, estão registados no “catálogo internacional de soluções da Microsoft”.

Panarra satisfeita com Governo mais digital

Está prestes a fazer um ano a remodelação do Governo que deu origem à secretaria de Estado da Transição Digital, liderada por André de Aragão Azevedo, até então o administrador da Microsoft Portugal com o pelouro da tecnologia.

Azevedo continua no ministério tutelado por Pedro Siza Vieira, e está desde junho acompanhado por Vanda de Jesus, anterior diretora de Marketing, Comunicação e Relações Públicas da empresa, que ocupa agora o cargo de responsável pelo programa Portugal Digital.

Instada pelo ECO a comentar o trabalho do Governo de António Costa em matéria de transição digital, Paula Panarra, diretora-geral, mostrou-se satisfeita com o seu anterior parceiro de board: “A criação de uma secretaria de Estado para a Transição Digital diz-nos muito sobre esta preocupação na economia e na agenda do Governo”, reiterou.

“Vemos isso como muito positivo. Acredito que todos os portugueses vejam. Há, de facto, uma preocupação e o Portugal Digital diz-nos muito sobre os pilares de atuação a que este Governo se propõe relativamente a pessoas, empresas e Administração Pública”, concluiu a diretora-geral da Microsoft Portugal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há “mais de 600 mil utilizadores” do Microsoft Teams nas escolas portuguesas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião