Portugal regista terceira maior subida da poupança na UE

Rendimento disponível caiu ligeiramente em Portugal, enquanto a poupança disparou perante menor consumo. Pandemia mudou drasticamente os hábitos das famílias na gestão dos seus orçamentos.

A pandemia mudou drasticamente os hábitos das famílias no que toca ao dinheiro. Com a necessidade de manter as pessoas em casa para travar os contágios, o consumo afundou enquanto a poupança disparou. Portugal seguiu a mesma tendência de muitos países. Dados revelados pelo Eurostat indicam que registou a terceira maior subida da taxa de poupança na União Europeia no segundo trimestre, marcado em grande parte pelas medidas de confinamento.

Portugal viu a taxa de poupança (em termos gerais, a parte do rendimento disponível que não foi gasta) disparar mais de dez pontos percentuais (pp) entre abril e junho, sendo o terceiro Estado membro com a maior variação, de acordo com o gabinete de estatísticas de Bruxelas. Apenas Irlanda (+22,0 pp) e Espanha (+13,7 pp) registaram maiores variações dentro da UE. A média europeia e da Zona Euro foi de subida de 10 pp.

A principal razão que explica o aumento da taxa de poupança da UE de 10,8 pp foi a descida acentuada de 17,3% na despesa de consumo final das famílias. Esta queda na despesa de consumo final das famílias contrastou fortemente com a diminuição de 1,8% no último trimestre e os recentes aumentos superiores a 2%”, disse o Eurostat.

Do outro lado, a Suécia, um dos países que teve abordagem diferente à pandemia, sem impor confinamento generalizado, foi o país do espaço comunitário europeu onde a taxa de poupança até caiu, com uma variação negativa de 0,6 pp.

A poupança acelerou enquanto as despesas das famílias afundou no segundo trimestre, num período em que não saíram de casa e muitas lojas e restaurantes e até fronteiras se encontravam encerrados.

Em Portugal, a variação no consumo das famílias registou um travão expressivo, afundando cerca de 15 pp naquele período, situando-se a meio da tabela europeia. Espanha, Irlanda, Itália, França, Bélgica, Áustria e Eslovénia tiveram quedas mais expressivas que a portuguesa, sendo que países como Espanha e Itália registaram quedas acentuadas no rendimento disponível, o que também ajuda a explicar a queda no consumo.

Dinamarca (-4,4%) e República Checa (-7,7%) observaram comportamentos mais estáveis naquilo que foram as despesas domésticas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal regista terceira maior subida da poupança na UE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião