Homem, trabalhador remoto e com salário acima de 1.000 euros. Este é o perfil do freelancer em Portugal

Os freelancers portugueses são, na maioria, homens, com salários acima da média e que já trabalhavam remotamente antes da Covid-19. A qualidade salarial e a flexibilidade são as principais vantagens.

Os freelancers são trabalhadores sem vínculo laboral, que trabalham por conta própria e podem prestar serviços a vários empregadores. Em Portugal são, na maioria, homens, em teletrabalho, com salários acima da média e que valorizam a independência e a capacidade de gerir o seu próprio tempo.

Ter mais e melhores fontes de rendimento, e a possibilidade de escolher os próprios clientes são algumas das principais razões para escolher ser freelancer, conclui um estudo da Fivver, empresa que ajuda a conectar empresas a freelancers, e que contou com a participação de 250 freelancers portugueses.

Freelancers: homens, em teletrabalho e com salário acima da média

Mais de oito em cada dez freelancers em Portugal são homens (81%), com idades entre os 25 e os 44 anos. A maior parte reside nos distritos de Lisboa, Setúbal, Leiria (29%), Algarve (12%) e Beira Alta (11%) e trabalha remotamente, sendo que mais de metade (51%) dos freelancers já trabalhava remotamente antes da pandemia.

O estudo da Fiverr revela que o salário anual dos freelancers varia entre os 12.000 euros e 28.000 euros, com um rendimento médio mensal de mais de 1.000 euros. De acordo com a Pordata, a média salarial mensal, em Portugal, é de 970 euros para empregados por conta de outrem.

A gestão do tempo é uma das principais vantagens para os trabalhadores independentes, já que para a maioria deles na Europa essa ainda não é uma realidade. Para seis em cada dez trabalhadores da UE o equivalente a 118 milhões em 194 milhões de trabalhadores –, o início e o fim do horário laboral é definido pelo empregador, pela empresa ou pelo cliente, revelam dados do Eurostat.

A possibilidade de definir o seu próprio horário e uma maior flexibilidade são as principais razões apontadas pelos inquiridos para se terem tornado freelancers. Assegurar a “proximidade familiar” é outra desvantagens apontadas, refere o estudo. No que respeita aos desafios, a capacidade de dividir a vida pessoal e profissional é um dos maiores.

“O tempo torna-se no maior bem, uma vez que representa a quantidade de trabalho exequível, logo o dinheiro ganho, mas também o quanto se decide repartir entre o mesmo, a vida social, família, lazer e descanso. Todos têm as mesmas 24 horas por dia”, destaca a Fiverr, citada em comunicado.

Entre os serviços mais prestados em regime de freelancing destacam-se os de design (38%) — principalmente por empresas no setor do retalho, catering e lazer — seguindo-se os de web development (35%), marketing (33%) e suporte técnico (27%), mais requisitados por empresas ligadas a viagens e transportes.

Ter mais (e melhores) fontes de rendimentos

Para muitos trabalhadores independentes, o trabalho como freelancers não significa necessariamente deixar o emprego fixo. Pelo contrário, permite combinar várias oportunidades de emprego para ter mais rendimentos. Ter a oportunidade de ganhar mais também foi destacada por 44% dos inquiridos, bem como a possibilidade de ter diferentes fontes de rendimento.

“Se, por um lado, um contrato aufere mais certezas mas com uma menor evolução salarial, por outro ser trabalhador independente permite abre a possibilidade de ter um maior rendimento anualsaber gerir os altos e baixos (por vezes 100% negativo) é a chave para sobreviver neste modo de trabalho. Dinheiro à parte, a possibilidade de ter várias fontes de rendimento em vez de apenas uma poderá fazer toda a diferença, especialmente para aqueles que já perderam emprego anteriormente”, lê-se no estudo.

Para vender os seus serviços, os freelancers portugueses usam principalmente os contactos através do marketing direto e e-mail (54%), seguido pelos marketplaces e websites (52%).

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Homem, trabalhador remoto e com salário acima de 1.000 euros. Este é o perfil do freelancer em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião