Acionistas da Media Capital contrariam ERC e elegem Mário Ferreira como “chairman”

Apesar de a ERC ter avisado que não reconhecerá as deliberações tomadas nesta assembleia-geral, os acionistas da Media Capital decidiram manter a reunião e aprovar todos as propostas na agenda.

Os acionistas da Media Capital reuniram esta terça-feira e aprovaram todos os pontos da agenda, incluindo um novo Conselho de Administração presidido pelo empresário Mário Ferreira, com Paulo Gaspar como vice-presidente e a apresentadora Cristina Ferreira sendo uma de vários vogais.

A realização da assembleia-geral manteve-se, mesmo depois de a Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) ter decretado na segunda-feira a “suspensão imediata do exercício dos direitos de voto” dos novos acionistas do grupo e alertado que não reconhecerá as deliberações tomadas na mesma. O regulador alegou “falta de transparência” nas referidas participações.

Mas a mesa da assembleia-geral “discorda” da posição da ERC e tomou a decisão de “prosseguir” com a reunião esta terça-feira, como estava previsto. “Os acionistas inscritos na presente assembleia-geral indicaram atempadamente a sua intenção de participação, demonstraram a titularidade das suas ações nos termos da lei e apresentaram os respetivos documentos de representação. Os documentos apresentados não suscitam qualquer dúvida quanto à titularidade de cada uma das participações sociais”, considerou a mesa da assembleia-geral numa posição entretanto divulgada.

Assim, “não há, salvo o devido respeito pela posição da ERC, dúvidas quanto à idoneidade das entidades titulares do capital social ou de participações qualificadas” e “não é ao presidente da mesa da assembleia-geral que cabe adotar medidas cautelares para assegurar o efeito útil dos processos que correm termos na entidade reguladora ou supervisora”, lê-se na referida posição, que terá sido transmitida aos acionistas no arranque da assembleia-geral.

O novo Conselho de Administração da Media Capital marcou, entretanto, uma conferência de imprensa para esta terça-feira à tarde, a realizar-se em Lisboa. O Conselho tem Mário Ferreira como presidente, Paulo Gaspar como vice-presidente, e sete vogais: Avelino Gaspar, Cristina Ferreira, João Serrenho, Luís Cunha Velho, Miguel Osório Araújo, Paula Paz Dias Ferreira e Rui Freitas.

A eleição do novo Conselho de Administração surge num momento-chave da História da Media Capital. A Prisa deixou de ser acionista do grupo há poucas semanas, tendo a sua participação a um conjunto alargado de investidores, depois de, em maio, ter fechado também a venda de mais de 30% do capital da empresa à Pluris Investments de Mário Ferreira. O empresário também é acionista do ECO.

Dá-se ainda numa altura em que, a par do processo da ERC, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) concluiu ter havido concertação entre a Pluris e a Prisa, forçando Mário Ferreira a lançar uma Oferta Pública de Aquisição sobre quase 70% do grupo que controla a TVI.

A assembleia-geral desta terça-feira elegeu ainda o novo Conselho Fiscal, presidido por Sofia Cerveira Pinto, tendo como vogais Filipe Caldeira e Marisa Costa Brito, bem como Bruno Rodrigues como suplente. Foi ainda eleito novo revisor oficial de contas, nova mesa da assembleia-geral (presidida por Carlos do Nascimento Lucena) e Comissão de Remuneração dos Órgãos Sociais (com Avelino Gaspar à cabeça).

Aprovada foi também a proposta de alteração aos estatutos da sociedade. Entre as mudanças está a redução do número mínimo de membros do Conselho de Administração de sete para cinco, e é dada autorização ao board para um aumento de capital até 15 milhões de euros “a exercer pelo prazo de três anos”.

A reunião de acionistas esteve para realizar-se a 28 de outubro. Porém, nessa altura, ainda não tinha sido apresentada qualquer proposta para os novos órgãos sociais, pelo que a mesma foi, então, suspensa.

(Notícia atualizada pela última vez às 14h00 com posição da mesa da assembleia-geral)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Acionistas da Media Capital contrariam ERC e elegem Mário Ferreira como “chairman”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião