TAP desmente Ordem no caso da recusa de advogado de um trabalhador em negociações

Fonte oficial da TAP explicou à Advocatus que recebe todos os seus trabalhadores e representantes dos mesmos, desmentindo assim as acusações do Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados.

A TAP desmentiu que a direção de Recursos Humanos tenha impedido um advogado de acompanhar o seu cliente, um trabalhador da transportadora aérea, nas negociações com vista à revogação do contrato de trabalho. “A TAP recebe todos os seus trabalhadores e/ou representantes por eles constituídos para o efeito e presta todas as informações por eles solicitadas”, refere fonte oficial da transportadora aérea à Advocatus.

Em causa está a denúncia feita pelo Conselho Regional de Lisboa (CRL) da Ordem dos Advogados (OA) que solicitou à TAP para tome as medidas necessárias para resolver a situação ilícita que põe em causa a “administração da justiça”. “Trata-se de um tripulante de cabine que está em processo negocial no âmbito das “medidas voluntárias” anunciadas pela companhia aérea, mais concretamente uma “revogação por mútuo acordo””, refere o presidente do CRL, João Massano.

Segundo explicou o líder do CRL, o trabalhador, após manifestar a intenção de se fazer acompanhar pelo seu advogado, recebeu, por telefone, uma nota da direção de Recursos Humanos a dizer que não falavam com advogados. “Perante esta situação, que condenamos, foi reportada ao Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados pelo Ilustre Colega que foi impedido de cumprir o dever perante o seu cliente”, nota.

Uma vez que segundo a lei qualquer cidadão tem a possibilidade de se fazer acompanhar por um advogado perante qualquer autoridade, o trabalhador tem direito a ser acompanhado pelo advogado. Em comunicado, João Massano explica que a TAP não tem direito de impedir que o advogado acompanhe o seu cliente.

“Neste contexto, e por entender que os factos que nos foram reportados consubstanciam, por um lado, violação dos invocados comandos legais e, por outro, violação de um direito dos cidadãos conferido pela Constituição, o CRL dirigiu uma comunicação à direção de Recursos Humanos da TAP para que sejam tomadas medidas por forma a que, doravante, esta situação ilícita e que põe em causa a administração da justiça que ao advogado incumbe não volte a ocorrer e, em particular, por forma a que o Ilustre Causídico possa exercer cabalmente o mandato de que foi incumbido”, refere João Massano.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

TAP desmente Ordem no caso da recusa de advogado de um trabalhador em negociações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião