Em isolamento? Estas apps e restaurantes entregam comida em casa

Isolamento não significa falta de opções alimentares. Apps reforçam oferta e restaurantes e cafés criam dinâmicas para garantir a continuidade do negócio.

Cafés, restaurantes e até mercearias. Os negócios ligados à restauração e à alimentação estão a criar mecanismos para poderem fazer face à quebra da procura, consequência das recomendações das autoridades de saúde em resposta ao coronavírus em Portugal. Também as aplicações de entrega se têm adaptado e aplicado medidas no sentido de proteger, tanto trabalhadores como clientes.

Em resposta à crescente procura, a Uber Eats deixou de cobrar as taxas de entrega até 3 de abril”. “Perante a situação que está a ser vivida no mundo e em Portugal, e dada a declaração de estado de emergência no país feita pelo Presidente da República, o Governo português decidiu limitar a circulação de pessoas e fechar grande parte dos espaços comerciais, incluindo restaurantes. (…) Para que estejamos ainda mais perto dos utilizadores e apoiarmos os restaurantes, removemos a taxa de entrega para todos os pedidos, a qualquer altura do dia, até dia 3 de abril”, anunciou a empresa.

Além disso, sabe o ECO, a aplicação de entregas de comida tem registado uma procura crescente nos últimos dias, por parte de novos restaurantes que desejam aderir ao serviço de entregas. Algumas das novidades são os restaurantes Boa Bao, o Ground Burger e Este Oeste, em Lisboa, ou o Bocca, o Mendi e o My palace, no Porto. Outro exemplo é o do grupo Sea Me, que fechou os restaurantes a 15 de março e criou o Olívia, uma marca de entrega de hambúrgueres ao domicílio que vai começar a vender refeições através da Uber Eats a partir desta terça-feira.

Também a Glovo, para minimizar o contacto humano com os clientes, recomendou aos clientes que evitem o dinheiro e a optem pelos pagamentos em cartão. Esta aplicação, além de entregar comida, faz também recados como ir à farmácia ou ao supermercado. Está disponível em Lisboa e no Porto, Coimbra e Aveiro, entre outras cidades.

A portuguesa EatTasty — que até à data só entregava refeições em empresas — já começou a fazer entregas ao domicílio para responder aos pedidos de pessoas que se encontram a trabalhar de casa. Também em resposta ao aumento da procura, alargou as entregas de almoços nas zonas de Lisboa, Amadora, Oeiras e Sintra.

Opções como os restaurantes de sushi Sushi at home ou Aruki são opções que já se encontravam disponíveis, assim como serviços de entrega de frango de churrasco como o Chickinho (que não está a cobrar taxa de entrega em casa, ou take away). As pizzarias são outra opção: a Zomato organizou lista de pizzarias com entregas ao domicílio.

Os gelados da Santini, anunciou a empresa em comunicado, passam a estar também “à distância de um clique”. “Como parte do seu plano de contingência para fazer parte da solução para o problema nacional relacionado com a propagação do covid-19, e de forma a continuar presente no dia-a-dia dos seus clientes, a Santini está a apostar nas entregas em casa”, explicou a empresa.

Os gelados e produtos de pastelaria da Santini passam agora a estar disponíveis para entrega em casa através das plataformas UberEats, Glovo e No Menu, a partir das seguintes lojas: Cascais (Valbom), Carcavelos, Telheiras, Expo e Porto. As entregas estarão disponíveis das 12h às 22h30. “Por respeito e preocupação com os nossos clientes e trabalhadores, iremos encerrar por tempo indeterminado as nossas lojas. Para continuar a ser presença assídua na casa dos portugueses iremos ter disponível o serviço de entregas ao domicílio, através das devidas plataformas”, adiantou Marta de Botton, administradora da Santini.

Por telefone e para entrega

Para fazer face ao encerramento forçado, um pouco por todo o país, restaurantes e cafés estão a criar serviços de entrega em casa e a estrear-se em plataformas de entrega ao domicílio. De acordo com as autoridades de saúde, o coronavírus não se propaga através da comida, por isso os restaurantes estão a criar alternativas de serviços de entrega ao domicílio para não serem obrigados a fechar as portas temporariamente.

A pensar nos clientes que estão em isolamento voluntário ou pretendem deslocar-se o menos possível, a Casa da Comida vai passar a oferta, que até agora tinha como take away para entrega direta em casa ou nas empresas. Entre as opções estão refeições congeladas para casa, cabazes familiares que ajudam a planear a semana e encomendas para empresas. As entregas são realizadas na zona da grande Lisboa e nos concelhos de Oeiras e Cascais. “A opção de lançar uma oferta de entrega de refeições em casa há muito que estava a ser preparada, mas a atual situação, que faz com que milhares de portugueses estejam em isolamento ou que estejam a trabalhar, sem possibilidade ou vontade de sair, acelera a pertinência do seu lançamento”, explica Salomé Alcântara, CEO da Casa da Comida. As encomendas podem ser feitas pelo email comercial@casadacomida.pt ou através do número 218 115 020.

Também na capital, ainda é possível encontrar outros restaurantes e cafés famosos que vão continuar a a disponibilizar os menus através de entregas ao domicílio. É o caso do restaurante mexicano Pistola y Corazón, no Cais do Sodré, The Food Temple, Tiffin Café Lisboa, Gleba Padaria, Tasca da Esquina, o restaurante Belmiro, Comida independente, A Valenciana e Ground Burger, entre outros.

Em pequenos estabelecimentos em Lisboa, como é o caso do Café Mortara, na freguesia de Alvalade, os donos colocaram o menu à disposição para entregas em casa, desde os pratos de massa até bebidas como águas e cervejas.

Opções saudáveis para aumentar a imunidade

Se é vegetariano e procura um prato diferente, o Garden Gourmet, criado em parceria pela Nestlé e o Cookoo – The Kitchen Hub, pode ser uma opção. O serviço de entrega ao domicílio não tem taxas de entrega e está disponível na plataforma Cookoo e na UberEats.

Garden GourmetCookoo

Nesta época, muitos especialistas falam da importância de uma alimentação saudável e equilibrada para reforçar o sistema imunitário. Para complementar a dose de fruta e legumes, os produtos da startup portuguesa kencko, aos quais só precisa de juntar água para fazer um sumo nutritivo, podem ser uma opção.A encomenda de teste do produto, assim como encomendas seguintes, podem ser adquiridas online, na página oficial: inclui três unidades e custa 16 euros. Existem ainda opções com 20 ou 60 doses individuais.

Amorim Luxury lança “JNcQUOI at Home”

O Grupo Amorim Luxury acaba de lançar um novo serviço de entregas ao domicílio intitulado de “JNcQUOI at Home”. Este serviço engloba refeições, mercearia gourmet e vinhos dos restaurantes JNcQUOI. Além destes produtos, o grupo também vende online peças de vestuário de luxo da Fashion Clinic, através da plataforma da Farfetch.

O novo serviço de entrega ao domicílio está disponível para a zona da Grande Lisboa e as encomendas podem ser feitas por telefone ou e-mail. A ementa pode ser consultada no site da marca ou na página de Instagram do JNcQUOI at Home e as encomendas podem ser feitas para uma, quatro ou oito pessoas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Em isolamento? Estas apps e restaurantes entregam comida em casa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião