Tesouro quer entrar em 2017 com 40% da dívida já financiada

  • Margarida Peixoto
  • 21 Outubro 2016

Na apresentação que está a fazer aos investidores sobre o Orçamento do Estado para 2017, o Tesouro acena com o pré-financiamento de 40% das necessidades previstas para o próximo ano.

O Tesouro português quer entrar em 2017 com cerca de 40% das necessidades de financiamento do ano já conseguidas. Este é um dos trunfos que o IGCP apresenta aos investidores, mostra uma nota da agência responsável pela gestão da dívida portuguesa, publicada esta sexta-feira.

O público-alvo é internacional: numa nota aos investidores, o IGCP reúne os números fundamentais do Orçamento do Estado para 2017. Desde as projeções para o cenário macroeconómico, até à evolução da dívida pública, e sem esquecer uma passagem sobre os números do défice (tanto em termos globais, como estruturais), a agência liderada por Cristina Casalinho apresenta, e fundamenta, as metas assumidas pelo Governo de António Costa.

Um dos trunfos é o pré-financiamento (repetindo a estratégia que tem sido seguida desde que o país saiu do programa de resgate da troika) de 6,5 mil milhões de euros, de um total de 16,5 mil milhões que são considerados imprescindíveis para o próximo ano.

As necessidades brutas de financiamento para 2017 estão avaliadas em 17,9 mil milhões de euros, mas este montante inclui 1,5 mil milhões de euros para o pagamento antecipado ao FMI. Ora, o IGCP explica que “quaisquer pré-pagamentos dos empréstimos do FMI estão dependentes das condições de mercado”. Por isso, só 16,5 mil milhões são considerados verdadeiramente imprescindíveis pelo Tesouro.

O IGCP adianta ainda que as necessidades líquidas de financiamento previstas para 2017 ficarão cerca de três mil milhões de euros abaixo das de 2016: são 9,6 mil milhões de euros, contra 12,3 mil milhões.

Os mais de nove mil milhões de euros servirão para cobrir o défice orçamental e outras aquisições líquidas de ativos financeiros.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Tesouro quer entrar em 2017 com 40% da dívida já financiada

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião