Portugal tenta atrair fábrica da Tesla

Portugal está a disputar, em conjunto com outros países europeus, a localização de uma fábrica da Tesla, confirmou o ECO. Já houve contactos em Portugal e nos EUA.

Portugal está a tentar convencer Elon Musk a localizar uma fábrica da Tesla Motors em Portugal. Não vai ser tarefa fácil já que na corrida estão países como Espanha, França, Holanda e alguns Países da Europa de Leste. A notícia é avançada em primeira mão pelo Faro de Vigo, que explica que o fabricante automóvel e de baterias elétricas vai decidir em 2017 a localização da fábrica que pretende instalar na Europa.

“A Península Ibérica, pela quantidade de horas de sol anuais, estará entre os destinos preferenciais para receber este novo investimento caso a empresa norte-americana queira replicar a fábrica fotovoltaica que instalou no telhado da sua outra megafábrica em construção em Sparks, no Nevada”, escreve o Faro de Vigo.

O ECO confirmou que já houve contactos do Governo português com a Tesla. Contactos esses que “se iniciaram no primeiro semestre deste ano e que se desenvolveram agora no final do ano”, disse ao ECO fonte oficial do Ministério da Economia. “Os contactos tiveram início nos Estados Unidos e, entretanto, já decorreram aqui em Portugal”. Um dos contactos foi feito pelo secretário de Estado adjunto do Ambiente, José Mendes, que reuniu a 8 de setembro com uma delegação de alto nível da TESLA Motors, liderada por Douglas Alfaro e que incluía o responsável pelas Infraestruturas de Carregamento na Europa. Um dos tópicos do encontro foi “a possibilidade de atração de projetos de investigação e desenvolvimento da TESLA, tirando partido da infraestrutura rodoviária de classe mundial existente em Portugal”, revelou o Ministério do Ambiente na nota de agenda do encontro.

Este tipo de negociações é feito com a oferta de incentivos por parte dos países que pretendem acolher o investimento. Portugal usa normalmente os Regimes Contratuais de Investimento (RCI) negociados através da AICEP e que permitem oferecer um mix de ofertas que passa por fundos comunitários, incentivos, etc. As ofertas dependem também do que as empresas pretendem fazer, nomeadamente durante quanto tempo se pretendem fixar em Portugal e o número de postos de trabalho que se comprometem a criar.

Imagem conceptual de como poderá ser a nova fábrica da Tesla
Imagem conceptual de como poderá ser a nova fábrica da Tesla

Segundo o Faro de Vigo, a decisão da Tesla não está tomada. A nova instalação fabricará tanto modelos elétricos como baterias Li-Ion (iões de lítio). Presentemente, a empresa de Elon Musk tem apenas um pequeno centro de montagem de carros em Tilburg, na Holanda, onde se montam as unidades do Tesla Model S que é comercializado na Europa com componentes e peças que são despachadas diretamente dos Estados Unidos, da fábrica principal da marca em Freemont na Califórnia.

Em Espanha, sobretudo na Galiza, começa a haver algum mal-estar pelo conjunto de investimento que o norte de Portugal tem conseguido captar em detrimento da opção espanhola. A 28 de junho, o La Voz de Galicia escreveu um artigo no qual lamentava o facto de, ao contrário do que aconteceu nos últimos 40 anos, a Galiza já não é a opção para as fábricas de carros que lançam novos modelos.

“Portugal é que está a levar centenas de milhões de investimento”, aponta o jornal, dando como justificação “a proximidade e as boas comunicações com a fábrica da PSA de Vigo e a sua filial Lusa, em Mangualde”. “Apenas nos seis primeiros meses do ano, do outro lado da raia, conseguiram captar 100 milhões de quatro multinacionais do automóvel”, precisa o jornal.

Aqui incluem-se a francesa Eurostyle Systems, que anunciou um investimento de 18 milhões em duas novas fábricas em Viana do Castelo, que em 2019 terão criado 100 novos postos de trabalho; a alemã Saertex especializada em componentes que também vai investir 3,5 milhões numa nova fábrica em Viana do Castelo, onde já marca presença desde 2008; a Continental que investiu 50 milhões em Vila Nova de Famalicão, a asiática Sakthi que prometeu investir 36,7 milhões na Maia e ainda os projetos de 50 milhões da Bosch em Braga.

Consciente deste desconforto, o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, teve uma reunião em Ponte de Lima, no último mês, para garantir que é “encontrada uma solução win win que aproxime Portugal da Galiza”, acrescentou a mesma fonte oficial. Não se conhecem números desta fábrica, mas em Sparks foram investidos mais de cinco mil milhões de dólares com a previsão de criar 6.500 postos de trabalho diretos e onze mil indiretos, segundo a imprensa americana.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal tenta atrair fábrica da Tesla

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião