Dólar forte puxa por papeleiras, Haitong dispara avaliação da Navigator e Altri

Produtoras de pasta de papel continuam em destaque num ambiente de dólar forte. A Haitong aumentou a avaliação da Navigator e Altri e melhorou a recomendação para a última.

Tempo para comprar papel do papel. A Haitong acredita que o dólar forte está a dar uma nova vida às produtoras de pasta de papel nacionais. Vê sinais de estabilização dos preços da polpa de papel em euros. E, perante a avaliação baixa que estava a atribuir ao setor, agora o cenário é diferente: subiu o preço-alvo da Navigator em 11% e melhorou a recomendação para os títulos da Altri, cotada que também vê a sua avaliação melhorada.

“Apesar de termos sido ‘neutros’ em relação ao setor ao longo de 2016, pensamos agora que é altura de sermos mais positivos à medida que os preços da polpa [em euros] parecem ter atingido o ponto mais baixo”, indicaram os analistas da Haitong, numa nota de investimento. “Ainda receamos que a nova oferta em 2018 possa colocar os preços sob pressão a partir do quarto trimestre de 2017, mas com o dólar forte, a avaliação barata para a Ence e Altri e o seu desempenho desde o início do ano abaixo dos índices de referência, melhoramos o setor para uma recomendação de ‘compra'”, acrescentaram.

Em relação à Navigator, o preço-alvo atribuído é revisto em alta de 11% para os 4,20 euros, apresentando um potencial de valorização de 53% face à cotação de fecho de ontem. E sobre a Altri, com uma avaliação de 4,00 euros por ação, acima dos 3,00 euros face à última revisão, o Haitong recomenda agora “compra” títulos da cotada co-liderada por Paulo Fernandes.

Na sessão de hoje, os papéis da Altri subiam 0,38% para 3,45 euros. Também os títulos da Navigator somavam mais de 1% para os 2,79 euros. A Semapa, que controla a Navigator, ganha 0,5% para 12,18 euros.

“No setor ibérico, nós preferimos a Navigator devido ao seu balanço forte, elevado dividendo e custos de caixa baixos”, diz o analista Nuno Estácio. Quanto à Altri, “os atuais múltiplos parecem bastante atrativos“. “A Altri está negociar com um preço de dez vezes o seu lucro estimado para 2017 (…). O capex está ligeiramente acima da nossa estimativa de longo-prazo, mas isto deverá ajudar a reduzir ainda mais os seus custos de caixa, quando a Altri está a substituir a caldeira na fábrica da Celtejo”, diz o Haitong, que continua a assumir como “lógica” uma fusão com a produtora espanhola Ence.

“Aos preços atuais, a Ence está barata. A possibilidade teórica de uma fusão ou aquisição entre a Ence e Altri, que nós discutimos anteriormente, continua a ser lógica, mas não parece que esteja em cima da mesa neste momento”, conclui a Haitong.

Nota: A informação apresentada tem por base a nota emitida pelo banco de investimento, não constituindo uma qualquer recomendação por parte do ECO. Para efeitos de decisão de investimento, o leitor deve procurar junto do banco de investimento a nota na íntegra e consultar o seu intermediário financeiro.

(notícia atualizada às 10h23 com revisão em alta para o preço-alvo da Altri)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dólar forte puxa por papeleiras, Haitong dispara avaliação da Navigator e Altri

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião