Descida da TSU financiada a meias pelo OE e Segurança Social em 2017

  • ECO
  • 16 Janeiro 2017

Só em 2018 é que a redução da TSU passará a ser totalmente suportada pelo Orçamento do Estado (OE). Em 2017, o financiamento será "assegurado em partes iguais" pelo OE e pela Segurança Social.

A meias. A ser aprovada, a descida da Taxa Social Única (TSU) em 2017 será financiada pelo Orçamento do Estado (OE) e pela Segurança Social, avança esta segunda-feira o Público, que teve acesso à proposta de decreto-lei do Governo. Segundo o jornal, só em 2018 é que a medida passará a ser suportada pelo OE na íntegra.

A descida da TSU, de 23,75% para 22,5%, parte do acordo conseguido entre o ministério liderado por Vieira da Silva, a UGT e os parceiros sociais: as empresas submetem-se a um salário mínimo mais alto, de 557 euros, mas veem os encargos com a TSU baixarem em 1,25 pontos percentuais.

A proposta, cita o Público, não deixa dúvidas: o financiamento dessa descida é “assegurado em partes iguais” pelo OE e pela Segurança Social. É na introdução do documento que surge ainda estipulado que “aplica-se no ano de 2017 o disposto na legislação em vigor, sendo o financiamento integral concretizado em 2018 mediante transferência do OE para o Orçamento da Segurança Social”.

O ministro Vieira da Silva estima que a descida da TSU terá um impacto de 40 milhões de euros na tesouraria da Segurança Social. No entanto, espera-se que o aumento do salário mínimo, acordado no final de dezembro, represente um encaixe adicional do mesmo montante. Segundo o Público, sem descida da TSU o valor seria o dobro, mas deverá ser totalmente compensado pelo OE no próximo ano.

Mas a proposta está em risco de ser chumbada no Parlamento. Não só o BE e o PCP deverão votar contra, como Pedro Passos Coelho já confirmou que o PSD não vai ajudar o Governo a aprovar a medida. A decisão do ex-primeiro-ministro tem-lhe valido várias críticas por parte de trabalhadores sociais-democratas e do antigo líder e comentador Marques Mendes, na medida em que, quando aumentou o salário mínimo em 2014, a coligação PSD/CDS acordou também uma descida da TSU em sede de Concertação Social. Em contrapartida, Passos Coelho já explicou que não cabe ao PSD apoiar o Governo, mas sim aos partidos que o suportam — nomeadamente, o BE e o PCP.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Descida da TSU financiada a meias pelo OE e Segurança Social em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião