Estado gastou menos 251 milhões com prestações de desemprego

  • ECO
  • 22 Março 2017

O Estado poupou 251 milhões de euros no pagamento de prestações de desemprego em 2016, uma descida de 14% face a 2015. O Estado estará a poupar mais de 7.200 euros por ano com cada beneficiário.

O Governo gastou 1,5 mil milhões de euros em prestações de desemprego no último ano, poupando assim 251 milhões de euros face a 2015. Esta descida, de 14%, representa o dobro da poupança que estava prevista no Orçamento do Estado para 2016. A notícia é avançada esta quarta-feira pelo jornal Diário de Notícias, que cita dados da execução orçamental e do ministro Vieira da Silva, avançados pelo próprio numa entrevista.

O Estado estará a poupar mais de 7.200 euros por ano com o pagamento de prestações a desempregados que delas beneficiem. E são cada vez menos. Entre 2015 e 2016, o número baixou em 35.000, de 259,3 mil beneficiários em 2015 para 224,5 mil no ano a seguir. Alargando o período de análise já para este ano, a tendência de redução continua e os números mostram que, do total de desempregados no final de fevereiro, 55% não contavam com qualquer prestação.

Apesar da almofada de 1.467 milhões de euros prevista no Orçamento do Estado para este ano e alocada para o pagamento de prestações de desemprego (ela própria uma redução de 3% face ao Orçamento de 2016), o Governo tem vindo a tomar medidas para evitar o prolongamento de situações de desemprego. Os beneficiários de longa duração são, como é óbvio, os mais onerosos aos cofres da Segurança Social, pelo que o recém-apresentado programa Qualifica visa precisamente isso, sublinha o jornal.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Estado gastou menos 251 milhões com prestações de desemprego

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião