Sindicatos da PT reúnem com Cláudia Goya por causa da ACT

Responsáveis e assessores jurídicos dos sindicatos reuniram esta terça-feira e vão pedir esclarecimentos à ACT sobre a PT. Segue-se a presidente da empresa e, eventualmente, Costa e Marcelo.

Os sindicatos afetos à PT Portugal vão reunir com a nova presidente executiva da companhia, Cláudia Goya, acerca do relatório da inspeção do trabalho que, como o ECO avançou em primeira mão, aponta para 150 infrações na dona da Meo entre janeiro e julho, incluindo a existência de empregados sem funções e algumas situações de assédio moral.

O encontro está marcado para dia 6 de setembro, quarta-feira da próxima semana, apurou o ECO junto de duas fontes sindicais.

Responsáveis dos vários sindicatos reuniram esta terça-feira com os assessores jurídicos para analisarem o relatório da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) pedido pelo Governo. Momentos depois do fim do encontro, Eduardo Colaço, coordenador para a área das telecomunicações do Sindicato Democrático dos Trabalhadores dos Correios, Telecomunicações, Media e Serviços (Sindetelco), explicou ao ECO o que ficou decidido.

“Vamos pedir esclarecimentos à ACT sobre algumas matérias. Nomeadamente, sobre a transmissão [de trabalhadores], porque eles dizem que não há, da parte deles, matéria para fazer a análise”, disse o responsável. E acrescentou: “Há aqui uma clara falta de informação às entidades, não pela PT, mas pelas empresas que receberam as pessoas. Não houve qualquer tipo de reunião [com os trabalhadores transferidos] nem qualquer tipo de informação dessas empresas. Só da parte da PT.”

Em causa estão as queixas dos sindicatos de que a PT Portugal estaria a recorrer “à figura da transmissão de estabelecimento [para empresas da Altice e da Visabeira] como forma encapotada de promover um despedimento coletivo na empresa”, lê-se no relatório. Este foi o ponto menos favorável à posição dos trabalhadores, uma vez que a ACT não conseguiu reunir “matéria de facto” capaz de sustentar procedimentos contraordenacionais.

"Vamos pedir esclarecimentos à ACT sobre algumas matérias.”

Eduardo Colaço

Coordenador para a área das telecomunicações do Sindetelco

Em contrapartida, a ACT acabou por penalizar as empresas que receberam os trabalhadores por falta de cumprimento de algumas obrigações. Enfrentam coimas entre 4.080 e 6.528 euros. Os sindicatos vão também abordar a ACT acerca de questões relacionadas com a perda do “direito à CGA [Caixa Geral de Aposentações]” por parte de alguns dos trabalhadores transferidos, entre outras.

Sindicatos voltam-se para Governo e PR

Os sindicatos querem ainda esclarecer em que altura do processo é que se podem constituir assistentes e vão tentar reunir novamente com o primeiro-ministro, António Costa. “Queremos ter uma reunião com o primeiro-ministro para perceber o que é que o Governo pensa”, referiu Eduardo Colaço. O Governo já estará na posse do documento.

Por fim, os advogados dos sindicatos afetos à PT Portugal, em conjunto com os responsáveis sindicais, vão tentar “perceber se existe matéria de facto” para reunir com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, bem como “fazer chegar” alguma informação à Procuradoria-Geral da República.

O relatório da ACT sobre a PT assentou em 77 visitas a 35 locais de trabalho da PT de norte a sul do país, bem como em análises “caso a caso”. A inspeção encontrou 150 infrações, que resultaram em 124 autos de notícia e que podem obrigar a PT a desembolsar entre 1,57 milhões e 4,84 milhões de euros para pagar coimas. Foi ainda feita uma participação crime.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sindicatos da PT reúnem com Cláudia Goya por causa da ACT

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião