DBRS dá mão amiga aos juros de Portugal. Taxa a dez anos perto dos 2%

Juros a 10 anos forçam novo mínimo de mais de dois anos após a DBRS ter mantido o rating e o outlook de Portugal. Taxa está cada vez mais próxima de baixar da fasquia psicológica dos 2%.

Numa decisão que estava longe de ser consensual, a DBRS deixou tudo como estava na passada sexta-feira ao manter o rating de “BBB low” e o outlook estável da notação portuguesa. É o suficiente, ainda assim, para forçar uma nova descida da taxa de juro das obrigações a dez anos para novo mínimo desde abril de 2015, há mais de dois anos.

O juro associado à dívida com maturidade de uma década cai mais de quatro pontos base para os 2,028%. Está na iminência de baixar da fasquia psicológica dos 2% novamente. A última vez em que transacionou abaixo desse patamar foi em abril de 2015 e está perto de voltar a acontecer.

Juro a dez anos renova mínimos desde abril de 2015

Fonte: Bloomberg

As taxas descem na maioria dos prazos, com a yield implícita nos títulos a cinco anos a baixar mais de dois pontos para 0,711%, acompanhando o bom momento no mercado internacional — também as taxas espanholas, italianas e alemãs, as que servem de referência para Portugal cedem em toda a linha.

O bom desempenho das obrigações portuguesas prolonga-se assim num ano em que as notícias têm reforçado a confiança dos investidores em relação à perceção de risco do país. Ao programa de compras do Banco Central Europeu (BCE), que foi prolongado para setembro do próximo ano, também o contexto nacional com a aceleração da economia e a correção do desequilíbrio orçamental têm ajudado a melhorar a imagem externa do país.

Foi no âmbito destes indicadores que a Standard & Poor’s reviu o rating de Portugal em setembro numa decisão considerada “inédita” pela própria agência já que melhorou a notação para fora do nível “lixo” sem antes ter subido o outlook de estável para positivo.

De resto, o otimismo do mercado levou alguns investidores a colocar a hipótese de a DBRS, que tem sido a mais amiga do país nos últimos anos, a subir o rating nacional na sexta-feira, colocando-o dois degraus acima do patamar que é considerado “investimento especulativo”. Este desfecho não veio a acontecer, mas a agência canadiana não deixou de elogiar a performance portuguesa em 2017 — ainda que tenha deixado alguns recados, como é habitual.

Portugal apresenta “um perfil de dívida favorável e uma posição externa sólida, em parte assente numa melhoria da competitividade comercial” do país, justificou a DBRS. Mas os “desafios significativos” que o país enfrenta, “incluindo níveis elevados de dívida pública, baixo potencial de crescimento, elevados níveis de crédito malparado e de endividamento das empresas”, levou a agência a manter o rating e o outlook. Em causa estão também “as potenciais pressões de despesa pública”, acrescentou.

É neste ambiente favorável que Portugal regressa ao mercado de dívida esta quarta-feira. O IGCP liderado por Cristina Casalinho conta levantar até 1.250 milhões de euros em obrigações a dez anos, num momento em que procura acelerar a substituição do oneroso empréstimo oficial do Fundo Monetário Internacional (FMI) por nova dívida no mercado.

Depois de ter realizado reembolsos de mais de seis mil milhões de euros até ao momento, o Ministério das Finanças espera pagar mais dois mil milhões ao fundo liderado por Christine Lagarde até final do ano.

"Portugal apresenta um perfil de dívida favorável e uma posição externa sólida, em parte assente numa melhoria da competitividade comercial do país.”

DBRS

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

DBRS dá mão amiga aos juros de Portugal. Taxa a dez anos perto dos 2%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião