Exclusivo Paulo Neves demite-se da PT. Cláudia Goya passa a chairman

É mais uma baixa na estrutura de topo do grupo Altice em Portugal: o atual chairman executivo da PT Portugal demitiu-se da empresa e abre espaço à subida de Cláudia Goya ao cargo de chairman.

Paulo Neves, na apresentação da proposta de compra da Media Capital este verão.

Paulo Neves terá apresentado a sua demissão do cargo de chairman executivo da PT/Meo e vai sair da operadora, apurou o ECO junto de fontes dentro do grupo. Paulo Neves foi presidente da empresa até, em meados de agosto, trocar o cargo pelo que agora abandona. O ECO sabe ainda que a sua saída abre espaço à passagem de Cláudia Goya para essa mesma função, mas sem pelouros atribuídos.

Esta segunda-feira, foi conhecida demissão de Cláudia Goya da presidência executiva da PT/Meo, de acordo com o apurado pelo ECO junto de fontes do mercado. Num comunicado posterior à notícia, a Altice negava que Cláudia Goya estivesse “de saída da empresa”. Acontece que a demissão do próprio Paulo Neves deixa vaga a posição de chairman, pelo que a PT/Meo acabou por escolher Cláudia Goya para ocupar a cadeira vazia, sem funções executivas, ao contrário do que sucedia com Paulo Neves. Só não se sabe por quanto tempo.

Entretanto, a Altice, num comunicado emitido já depois da publicação desta notícia, confirmou oficialmente todas as informações avançadas pelo ECO esta semana: tanto a saída de Paulo Neves como a subida de Cláudia Goya “a chairwoman da PT Portugal” e a passagem de Alexandre Fonseca, até aqui o administrador tecnológico da companhia, ao cargo de presidente executivo.

Quando assumiu o cargo de chairman executivo da PT, Paulo Neves ficou com a responsabilidade de acompanhar o dossiê da compra da Media Capital pela Altice. Esta operação, avaliada em 440 milhões de euros, encontra-se atualmente a ser analisada pela Autoridade da Concorrência e tem merecido forte oposição por parte dos concorrentes dos setores das telecomunicações e media.

Mudanças de gestão no grupo Altice

Têm sido semanas conturbadas para a casa-mãe da PT Portugal. No início deste mês, o grupo Altice apresentou resultados vistos como fracos por muitos investidores. Surgiram dúvidas quanto à capacidade do grupo de pagar os mais de 50 mil milhões de euros de dívida que acumula e, desde então, as ações da Altice na bolsa de Amesterdão têm caído sem parar, somando uma desvalorização de mais de 50% desde 2 de novembro.

Entre julho e setembro, a Altice gerou com a Meo receitas de 566,2 milhões de euros. Trata-se de uma queda de 3,1% em relação aos mesmos três meses do ano passado. O período abrange a totalidade da passagem de Cláudia Goya pela liderança da operadora.

(Notícia atualizada às 18h50 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Paulo Neves demite-se da PT. Cláudia Goya passa a chairman

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião