BCE estima impacto positivo a curto prazo de reforma fiscal dos EUA

  • Lusa
  • 5 Fevereiro 2018

Para a zona euro, estima-se que a reforma "poderá aumentar a procura por bens e serviços", embora o efeito global se preveja bastante pequeno. É que haverá outros efeitos a ter em conta.

O impacto da reforma fiscal nos Estados Unidos da América sobre o Produto Interno Bruto (PIB) do país será positivo no curto prazo, mas os efeitos a longo prazo são “muito mais incertos, segundo o Banco Central Europeu (BCE).

Num artigo incluído no próximo boletim económico do BCE, divulgado pela agência EFE, é estimado que a reforma melhore o PIB real dos Estados Unidos da América entre 0,5% e 1,3% nos próximos três anos.

Contudo, referem os autores do artigo, os efeitos a longo prazo são “muito incertos” porque dependem de como a reforma tributária é financiada e o impacto de um maior défice nos custos da dívida soberana.

É que o aumento do défice fiscal poderá gerar maiores taxas de juros de longo prazo e aumentar o custo do capital, contrariando alguns dos efeitos positivos do lado da oferta.

Já na zona euro, o artigo estima que a reforma “poderá aumentar a procura por bens e serviços”, pelo aumento da procura dos EUA, embora o efeito global se preveja bastante pequeno. A zona euro também será afetada por mudanças na paisagem fiscal internacional, cujas consequências são muito incertas e complexas, devido à atratividade fiscal que os Estados Unidos ganham com esta reforma.

A reforma aumenta o risco de “uma concorrência fiscal em todo o mundo” e pode gerar uma erosão da base tributável nos países da União Europeia (UE), acrescenta o artigo.

A reforma fiscal dos EUA, em vigor desde 1 de janeiro de 2018, contempla uma redução do imposto sobre as empresas de 35% para 21% e uma deduções os impostos dos investimentos feitos. Há também reduções de impostos sobre o rendimento para os contribuintes individuais. A reforma também facilita o repatriamento de lucros conseguidos por empresas no estrangeiro.

A China já anunciou, no final de dezembro passado, um programa de benefícios fiscais em resposta à reforma fiscal norte-americana.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE estima impacto positivo a curto prazo de reforma fiscal dos EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião