Portugal escapou em janeiro à redução dos estímulos do BCE

Tal como estava definido, o BCE cortou para metade as compras de dívida na Zona Euro em janeiro. Mas Portugal escapou quase ileso ao início do tapering do banco central em 2018.

O Banco Central Europeu (BCE) cortou as compras de dívida pública na Zona Euro para metade em janeiro, tal como estava decidido, mas Portugal escapou quase ileso à redução dos estímulos: as aquisições portuguesas da parte do banco central caíram apenas 10% no mês passado, conferindo o tal grau de proteção que os investidores e analistas já antecipavam para o país com o início do tapering na região.

Mario Draghi tinha anunciado que as compras do BCE iam baixar dos 60 mil milhões de euros mensais para os 30 mil milhões mensais já a partir do início de 2018. E assim o fez: as compras de obrigações dos governos da região baixaram 54% em janeiro face ao mês anterior, para um total de 20,9 mil milhões de euros, de acordo com os dados disponibilizados esta segunda-feira pelo banco central.

Ainda assim, este corte teve pouco impacto em Portugal. O BCE adquiriu um total de 461 milhões de euros em títulos portugueses, o que representa uma redução de apenas 10,65% face ao montante que a instituição tinha adquirido em dezembro. Feitas as contas, o BCE detinha no final de janeiro 31.524 milhões de euros em obrigações nacionais.

Compras do BCE em Portugal abaixo dos 500 milhões

Fonte: BCE

Muitos analistas já tinham sublinhado que Portugal estava relativamente protegido quando o BCE desse início à redução gradual dos estímulos. Isto porque ao longo de 2017 o banco central já tinha vindo a comprar poucas obrigações portuguesas face àquilo que estava estabelecido. De acordo com a chave de capital de Portugal na instituição, o BCE poderia adquirir cerca de 1.300 milhões de euros por mês em títulos nacionais ao longo do ano passado, mas a média mensal ficou muito aquém do previsto: apenas 537 milhões de euros por mês.

No mercado secundário, a yield associada às obrigações portuguesas a dez anos avançam 2,5 pontos para superarem de novo a fasquia dos 2%, numa sessão em que também os juros das obrigações alemãs estão a subir.

Se o impacto em Portugal foi relativamente diminuto, a maioria dos países da Zona Euro começaram já a sentir os efeitos de um BCE menos expansionista. Por exemplo, na periferia da região, Itália e Espanha viram as compras de dívida recuarem em janeiro em 57% e 55%, respetivamente. Na Alemanha, as aquisições do BCE caíram 54,7%, segundo os dados do BCE.

O programa de compra de ativos públicos terminará, ao que tudo indica, em setembro — o mais tardar, no final do ano, segundo os economistas. Depois disso, o BCE já prometeu reinvestir o dinheiro obtido com os títulos que entretanto vencerem em mais aquisições de obrigações.

(Notícia atualizada às 15h53)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal escapou em janeiro à redução dos estímulos do BCE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião