Caos nas bolsas leva Portugal a pagar mais de 2% para se financiar a dez anos

Turbulência nas bolsas provocou aumento dos juros no primeiro leilão de dívida de longo prazo de Portugal em 2018. Mas IGCP pagou menos para se financiar a cinco anos.

Os custos de financiamento no mercado voltaram a subir para Portugal, com o primeiro leilão de dívida de longo prazo do ano a ser afetado pela recente turbulência que assolou as bolsas em todo o mundo. Exemplo disto é o facto de a taxa para se financiar a dez anos ter ficado acima dos 2%, um aumento face a uma operação semelhante realizada há três meses. Ainda assim, os investidores exigiram uma taxa menor para financiar o Estado a cinco anos.

Feitas as contas, o IGCP conseguiu levantar os 1.250 milhões como pretendia com esta operação. Mas não se livrou de um aumento dos encargos para emitir a dez anos, tal como os analistas já haviam antecipado ao ECO.

No leilão de obrigações do Tesouro a dez anos, Portugal pagou uma taxa de juro de 2,046% para conseguir 760 milhões de euros, com procura a dobrar a oferta. A taxa compara com a yield de 1,939% do último leilão comparável, realizado em novembro do ano passado, numa operação que permitiu encaixar bem mais dinheiro do que agora — 1.250 milhões de euros.

 

Leilão de dívida a dez anos volta a registar subida das taxas

Fonte: IGCP

Já para emitir títulos com maturidade em outubro de 2022 (quase cinco anos), a taxa exigida pelos credores foi de 0,577%. Nesta linha foram conseguidos 490 milhões de euros e aqui as manifestações de interesse dos investidores tão significativa: ordens de compra ficaram 3,67 vezes acima do que o IGCP leiloou. No anterior leilão equiparável, realizado em outubro do ano passado, a taxa foi de 0,916%.

Embora os encargos com a dívida tenham subido ligeiramente na maturidade principal, os analistas não veem razões para alarme, situando este agravamento num contexto circunstancialmente abalado pela pressão que os mercados evidenciaram nas últimas duas semanas.

“São alguns pontos bases mais acima, mas que não irão ter impacto no custo médio global da dívida pública, que deverá continuar nos 3%”, tinha sublinhado ao ECO Paulo Rosa, senior trader do Banco Carregosa, numa antecipação ao leilão.

Na base desta pessimismo dos investidores estiveram receios de que a Reserva Federal norte-americana vá subir as taxas de juro diretoras em 2018 mais vezes do que se estava à espera, depois de dados da economia sugerirem uma taxa de inflação a caminho daquilo que é a meta do banco central americano.

Por causa disto, os juros associados às obrigações dos governos também subiram e Portugal não ficou excluído desta reavaliação de ativos que se observou a nível mundial.

No mercado secundário, a yield implícita nas obrigações portuguesas a dez anos seguia nos 2,084%.

(Notícia atualizada às 11h24)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caos nas bolsas leva Portugal a pagar mais de 2% para se financiar a dez anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião