Em atualização EUA saem do acordo nuclear com o Irão. Vice-presidente já informou o Congresso

O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, já terá informado o Congresso de que o presidente vai anunciar a saída dos EUA do acordo nuclear com o Irão.

Os Estados Unidos deverão abandonar o acordo nuclear com o Irão, uma decisão que se espera que seja anunciada esta terça-feira pelo presidente Donald Trump. Segundo a CNN, o vice-presidente, Mike Pence, comunicou ao Congresso que o presidente vai anunciar a saída do país do acordo.

A informação foi avançada inicialmente pelo The New York Times (acesso condicionado), que garantiu que a intenção de os EUA saírem do acordo nuclear com o Irão foi transmitida pelo chefe de Estado norte-americano ao homólogo francês, Emmanuel Macron. A confirmar-se a decisão, abre-se a porta a novas sanções ao Irão.

Já depois da publicação da notícia pelo diário norte-americano, um representante da Presidência francesa veio a público garantir que Donald Trump não transmitiu qualquer informação sobre o sentido de decisão a Emmanuel Macron, desmentindo a notícia.

De acordo com o jornal, que cita uma fonte com conhecimento da conversa entre os dois líderes, os Estados Unidos deverão reinstaurar todas as sanções económicas contra o Irão que tinham sido levantadas na sequência do acordo. Segundo o jornal, deverá ser esta a posição que Donald Trump vai transmitir esta terça-feira, numa conferência de imprensa que o próprio marcou através do Twitter. O anúncio deverá ser feito por volta das 19h00 em Lisboa.

Trump exigia limites mais apertados ao Irão

Os parceiros do acordo, como é o caso de França, terão insistido para que Donald Trump mantivesse os Estados Unidos no acordo alcançado em 2015, e que foi considerado uma das principais conquistas da Presidência de Barack Obama.

No entanto, segundo informações obtidas pelo mesmo jornal, as negociações colapsaram, com Trump a insistir que as fortes limitações na produção de combustível nuclear impostas ao Irão sejam mantidas mesmo para lá de 2030. O acordo de 2015 tem como principal objetivo travar as capacidades do Irão de produzir armas nucleares. Em troca, a comunidade internacional concordou em levantar as sanções económicas que representam uma barreira ao crescimento económico daquele país.

Petróleo cai, mesmo com a decisão

O mercado do petróleo está exposto a esta decisão, uma vez que as sanções que poderão ser impostas pelos Estados Unidos deverão limitar significativamente a capacidade de produção do Irão.

Ora, o Irão representa um terço da produção petrolífera mundial, pelo que é expectável uma redução da oferta no mercado. É por isso que o preço do barril de petróleo em Nova Iorque, para entrega em junho, chegou a ultrapassar a fasquia dos 70 dólares, algo que não acontecia desde 2014.

No entanto, esta terça-feira, mesmo com a notícia do The New York Times, o preço do crude está a derrapar. O contrato de WTI está agora a valer 69,02 dólares, uma queda intradiária de 1,4%.

(Notícia em atualização)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EUA saem do acordo nuclear com o Irão. Vice-presidente já informou o Congresso

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião