Jumbo é o supermercado mais barato. Mas metade dos portugueses vai ao Continente

  • Lusa
  • 26 Junho 2018

Atrás do Jumbo, posicionam-se a cadeia Continente, onde os preços são, em média, 2% mais caros, mas a presença territorial é muito forte.

O Jumbo é a cadeia de supermercados com os preços mais baixos entre as grandes superfícies comerciais em Portugal continental, revela um estudo da Deco Proteste que analisou quase 600 lojas em 70 concelhos.

Segundo o estudo, o Jumbo lidera, pela terceira vez consecutiva, a tabela dos preços mais baixos e a região Centro não é exceção, já que esta cadeia de supermercados aparece como melhor opção em concelhos como Aveiro, Coimbra, Leiria, Lisboa, Setúbal e Viseu.

Dos 106.536 preços de 243 produtos analisados em 591 lojas de Portugal entre janeiro e março deste ano, a Deco elaborou um cabaz com produtos de marca branca (38%) e de marca de fabricante (62%), seguindo a tendência de consumo das famílias portuguesas.

No estudo divulgado, a associação fez as contas para dois perfis de consumidor — quem gasta 150 euros por mês em supermercado e quem vai até aos 400 euros — e conclui que os que mais gastam são os que mais poupam, com o valor máximo de poupança a ser conseguido em Santarém, onde tanto se podem fazer bons negócios como desperdiçar quase 590 euros/ano, no caso do carrinho com o consumo mais elevado.

No anterior estudo da Deco Proteste, divulgado em março, o Jumbo também liderava a lista dos supermercados com preços mais baixos. Contudo, segundo um inquérito online incluído neste estudo, o Jumbo e o Pão de Açúcar são opção apenas para 6% dos participantes e quase metade revela escolher o Continente na hora de fazer o maior volume de compras.

“Não será, contudo, a existência de um cartão de descontos a fazer pender os pratos da balança para o Continente, já que apenas um terço dos inquiridos afirma seguir as promoções dos supermercados à risca”, refere a Deco.

Atrás do Jumbo, posicionam-se as cadeias Continente e Continente Modelo, onde os preços são, em média, 2% mais caros, mas a presença territorial é muito forte em todo o País, incluindo em regiões com menos população, como o Interior, os Açores e a Madeira.

"Muitas vezes, carne e peixe são da responsabilidade de agentes externos à marca e têm preços mais elevados. Já nos produtos de mercearia e drogaria, melhoram bastante os resultados: o Lidl obtém inclusive uma posição ligeiramente superior à do Pingo Doce.”

Deco

A cadeia de supermercados Pingo Doce, também muito disseminada pelo País, fecha o pódio, com um patamar de preços 6% mais elevado do que o praticado pelo líder. As cadeias mais caras do ‘ranking’ da Deco são o Intermarché, o Minipreço e o Lidl, nos dois últimos casos muito por culpa dos frescos.

“Muitas vezes, carne e peixe são da responsabilidade de agentes externos à marca e têm preços mais elevados. Já nos produtos de mercearia e drogaria, melhoram bastante os resultados: o Lidl obtém inclusive uma posição ligeiramente superior à do Pingo Doce”, refere o estudo.

O trabalho da Deco indica ainda que os supermercados Jumbo ganham em toda a linha, com os melhores preços para o consumidor tanto nos produtos frescos como nos congelados, assim como na mercearia e nos produtos de higiene pessoal e do lar.

O Jumbo lidera os preços baixos nas lojas físicas e é também o mais barato na Internet. Na tabela das vendas online, o Jumbo é seguido pelo Continente e na terceira posição surge o Intermarché.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jumbo é o supermercado mais barato. Mas metade dos portugueses vai ao Continente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião