Fundos de investimento que mandam na Oi querem substituir presidente da operadora

Os fundos de investimento que controlam a operadora brasileira Oi querem substituir Eurico Teles por um gestor de peso com experiência em telecomunicações, avançou o Estadão.

O gestor que comanda a Oi pode vir a ser afastado da liderança da operadora brasileira. Fundos de investimento que são acionistas da empresa estão em conversações para encontrar um novo presidente executivo que substitua Eurico Teles, avançou esta terça-feira o Estadão, sem indicar como obteve a informação.

Segundo o diário brasileiro, os fundos que controlam atualmente a Oi procuram um gestor de peso e com experiência em telecomunicações para melhorar o desempenho operacional da maior telecom do Brasil. A notícia surge numa altura em que está em vias de ser concluída a fase mais importante do plano de recuperação judicial da Oi, que é a da recapitalização.

Eurico Teles foi o homem que conduziu a operadora durante este processo, que foi acompanhado de perto em Portugal (antes dele, a portuguesa Pharol era a maior acionista; deixou de o ser no verão de 2018 e prepara-se para controlar, depois do aumento de capital, uma posição na casa dos 5%). Com os fundos de investimento a controlarem a empresa, o gestor estará, assim, em vias de ser substituído, ainda que o tema não tenha sido abordado oficialmente no conselho, indica o jornal.

De acordo com o Estadão, existem alguns nomes na calha para ocuparem o lugar de Eurico Teles: Rodrigo Abreu, ex-presidente executivo da Tim; Roger Solé, ex-diretor de marketing da Tim e vice-presidente de marketing da Sprint; e Paulino do Rego Barros Júnior, ex-líder global de operações da AT&T e antigo vice-presidente da Motorola.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fundos de investimento que mandam na Oi querem substituir presidente da operadora

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião