OCDE. Desaceleração da economia portuguesa vai continuar

Os indicadores avançados da OCDE apontam para a continuação da tendência de abrandamento da economia portuguesa, tal como nas principais economias. Só França e China estarão a estabilizar.

A economia portuguesa deverá continuar a abrandar nos próximos trimestres, tal como as principais economias mundiais e a Zona Euro como um todo, apontam os indicadores avançados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

Estes indicadores, que antecipam inflexões na atividade económica num prazo entre seis a nove meses, voltaram a diminuir em fevereiro, no caso de Portugal, o que representa o sétimo mês consecutivo de diminuição. Incluindo os meses em que estabilizaram, estes indicadores não apontam para melhorias desde julho de 2017.

A tendência de abrandamento é generalizada. Estados Unidos, Japão, Canadá, Reino Unido, Alemanha e Itália também apresentam diminuições. Os indicadores apontam para uma queda generalizada na Zona Euro como um todo. Entre as principais economias, só França e China poderão estar a chegar a uma fase de estabilização da tendência de crescimento.

Entre os nove principais países clientes das exportações portuguesas, estes indicadores apontam para uma desaceleração em cinco — Alemanha, Reino Unido, Estados Unidos, Itália e Holanda –, enquanto nos dois principais mercados — Espanha e França — apontam para uma estabilização, mas na sequência de vários meses em queda.

Só dois dos nove principais clientes das exportações portuguesas apresentam sinais de reverter a desaceleração económica, que são os casos da Bélgica e do Brasil, mas estes são os países desta lista com os quais Portugal tem menores relações comerciais. O décimo país é Angola, do qual não há indicadores disponíveis.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OCDE. Desaceleração da economia portuguesa vai continuar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião