Jerónimo Martins valoriza mais de 4% e anima Lisboa

Lisboa seguiu a tendência registada nas demais praças europeias e fechou a primeira sessão do mês no verde. A puxar esteve a Jerónimo Martins e a pesar o BCP.

Em linha com a Europa, a praça lisboeta terminou a primeira sessão de setembro em terreno positivo. A puxar pela bolsa nacional esteve sobretudo a Jerónimo Martins, cujos títulos somaram mais de 4%. Das 18 cotadas, apenas seis ficaram no vermelho, com o BCP a liderar as perdas e a pesar sobre Lisboa.

O índice de referência nacional valorizou 0,7% para 4.921,90 pontos. O desempenho do PSI-20 seguiu, assim, a tendência registada nas demais praças do Velho Continente, com o Stoxx 600 a subir 0,31%, o francês CAC 40 a somar 0,15% e o alemão DAX a valorizar 0,13%.

Por cá, foi a Jerónimo Martins a cotada que mais deu gás à bolsa lisboeta. Os títulos da dona do Pingo Doce avançaram 4,20% para 15,64 euros. Isto depois da revisão em alta da avaliação da retalhista levada a cabo pelo Goldman Sachs, que aumentou o preço-alvo de 14 euros para 16,50 euros e elevou a recomendação de “neutral” para “comprar”. Na base da revisão em alta, estão as estimativas de vendas da Jerónimo Martins, especialmente na Polónia, onde está presente através da Biedronka.

No mesmo setor, a Sonae viu os seus títulos somarem 1,21% para 0,835 euros. Na energia, as ações da EDP valorizaram 0,81% para 3,466 euros, enquanto as da EDP Renováveis recuaram 0,5% para 9,97 euros e as da Galp Energia desvalorizaram 0,42% para 13,005 euros.

No vermelho, destaque ainda para o BCP, cujos títulos recuaram 0,52% para 0,1922 euros. Na linha de água, ficaram a Corticeira Amorim, a Ramada, a Semapa e a Sonae Capital.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jerónimo Martins valoriza mais de 4% e anima Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião