5 coisas que vão marcar o dia

A duas semanas das eleições, serão conhecidos novos dados económicos, num dia que será marcado pelo segundo debate entre Rio e Costa. Na bolsa, a OPA da Cofina à Media Capital centra atenções.

As eleições legislativas, a 6 de outubro, são o tema incontornável, especialmente num dia em que os líderes do PS e do PSD voltam a estar frente a frente para um debate logo antes de serem conhecidos novos dados do PIB e do saldo orçamental em 2017 e 2018. A compra da Media Capital pela Cofina está cada vez mais próxima.

OPA da Cofina à Media Capital marca sessão

Uma das principais notícias do fim de semana foi a oficialização da Oferta Pública de Aquisição (OPA) da Media Capital, pela Cofina. A empresa de media dona do Correio da Manhã apresentou o anúncio preliminar, propondo-se a pagar cerca de 180 milhões de euros e a assumir ainda a dívida da dona da TVI de 75 milhões de euros. A operação vale assim 255 milhões. As ações das duas empresas estavam suspensas na bolsa de Lisboa, mas esperam-se novidades no início da semana.

Rio e Costa de novo frente a frente

Os líderes dos maiores partidos em Portugal voltam a estar frente a frente esta segunda-feira. É às 10h, nas rádios Antena 1, Renascença e TSF e segue-se a um debate televisivo que trouxe mais vantagem a Rui Rio que a António Costa. Segundo uma nova sondagem conhecida este domingo, o PS mantém a liderança (com 40,6% das intenções de voto), mas a diferença face ao PSD (26,6%) está mais pequena e situa-se agora em 14 pontos percentuais. O debate decorre uma hora antes de serem conhecidos novos dados macroeconómicos que até podem revelar uma revisão dos valores conhecidos até aqui.

Economia e contas públicas em foco

O Instituto Nacional de Estatística (INE) vai divulgar esta segunda-feira a segunda notificação do Procedimento dos Défices Excessivos de Portugal, onde vai atualizar os números do défice em 2018. Irá também publicar os principais agregados das Administrações Públicas, as contas nacionais trimestrais por setor institucional (no segundo trimestre) e as contas nacionais relativas a 2017. Os dados económicos vão permitir medir o pulso à economia e às contas públicas portuguesas e poderão dar um novo impulso aos juros da dívida pública, que continuam a negociar próximos de mínimos históricos. O ministro das Finanças vai reagir a toda a bateria de indicadores que vai ser divulgada ao final da manhã.

Draghi no Parlamento Europeu

Lá fora, o Banco Central Europeu (BCE) irá central atenções. Prestes a abandonar o cargo de presidente da instituição financeira, e depois de ter decidido baixar ainda mais os juros dos depósitos na Zona Euro, o italiano Mario Draghi estará esta segunda-feira no Parlamento Europeu para uma audição na Comissão de Assuntos Económicos e Monetários. No mesmo dia, o Bundesbank vai divulgar os resultados dos testes de resistência aos bancos alemães, num ambiente de baixas taxas de juro do BCE.

Geopolítica continua a afetar o petróleo?

O mercado petrolífero foi, na semana passada, abalado por ataques com drones a duas refinarias da petrolífera Saudi Aramco. O impacto nos preços dos mercados internacionais acalmou — mas não deixou de causar uma forte subida nos combustíveis em Portugal — e a dúvida é se as tensões vão voltar a subir. Apesar de os ataques terem sido reivindicados por rebeldes do Iémen, os EUA acusaram o Irão de estar por trás do acontecimento e reforçou a presença no Golfo Pérsico. O Irão afirmou este domingo que a presença de forças estrangeiras aumenta a insegurança na região.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que vão marcar o dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião