Novo Banco vai incorporar BES das Ilhas Caimão

Simplificar estrutura, cortar custos e responder às exigências de Bruxelas. Novo Banco prossegue reestruturação e prepara-se para incorporar o BES das Ilhas Caimão até final do ano.

Apresentação de resultados do Novo Banco - 01MAR19
António Ramalho, presidente do Novo Banco, quer continuar a reduzir custos na instituição.Hugo Amaral/ECO

Continua a todo o vapor o processo de reestruturação no Novo Banco. O banco liderado por António Ramalho prepara-se agora para incorporar o antigo BES nas Ilhas Caimão. A operação visa simplificar a estrutura do grupo e poupar dinheiro com auditores, ao mesmo tempo que responde às exigências das autoridades da concorrência de Bruxelas. Ficará concluída até final do ano, mas falta luz verde do Banco de Portugal.

Em causa está um processo de fusão transfronteiriça por incorporação do Bank Espirito Santo International Limited (BESIL), sediado naquele paraíso fiscal e com ativos no valor de 340 milhões de euros, no Novo Banco. A decisão foi oficialmente aprovada pela administração do banco no final do mês passado e produzirá efeitos em meados de dezembro.

Esta operação, que ainda carece da autorização do supervisor, tem como objetivo simplificar a estrutura do grupo Novo Banco, prevendo-se poupanças. “A fusão das sociedades levará à simplificação organizacional e a corte nos custos, nomeadamente, por exemplo, através da redução do número de contas anuais a preparar e da eliminação de relações intragrupo”, diz o Novo Banco no projeto de fusão. “Em particular, os custos com auditoria e com a submissão de documentos junto do registo comercial e das autoridades serão reduzidos”, acrescenta.

Ainda esta terça-feira, António Ramalho frisou a necessidade de continuar a cortar custos, depois de se saber que o Novo Banco quer despedi 27% dos trabalhadores em Espanha. “A nossa capacidade de nos reajustarmos sobre custos mais baixos é real”, afirmou o presidente do Novo Banco, na conferência “Banca do Futuro”, organizada pelo Jornal de Negócios, em Lisboa, referindo ainda que os bancos deverão “abandonar alguns negócios onde não há rentabilidade suficiente”.

Há outro motivo para lá da simplificação da estrutura do grupo. “A fusão será ainda realizada com o objetivo de cumprir com os compromissos assumidos pelo Estado português diante da Direção-Geral da Concorrência da Comissão Europeia em 2017“, sublinha ainda a instituição. Foi nesse ano que o Novo Banco foi vendido aos americanos do Lone Star (75% por 1.000 milhões de euros), num acordo que incluiu o mecanismo de capital contingente no valor de 3,9 mil milhões e que obrigou o banco português a uma profunda reestruturação com saída de trabalhadores, fecho de agências e venda de negócios.

O BESIL foi constituído em 1983, tendo passado para a esfera do BES em 2002, após a aquisição à Espírito Santo Financial Group por 60 milhões de euros. A aquisição da totalidade do capital social do BESIL “insere-se no quadro do desenvolvimento da estratégia de aproximação às comunidades portuguesas no exterior”, explicava o BES no relatório e contas de 2002. Entretanto, com a medida de resolução aplicada ao BES em agosto de 2014, ativos como o BESIL passaram para o Novo Banco criado na altura.

O BESIL não terá qualquer trabalhador no momento da fusão, nem detém qualquer imóvel. O BESIL é um dos credores reconhecidos pela comissão liquidatária do BES, reclamando um crédito de 170 euros ao banco falido.

O Novo Banco registou prejuízos de 400 milhões de euros no primeiro semestre do ano, tendo sinalizado já que tenciona pedir 540 milhões de euros ao Fundo de Resolução no âmbito do mecanismo de capital contingente.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco vai incorporar BES das Ilhas Caimão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião