RTP lança pacote de apoio à produção independente audiovisual

  • Lusa
  • 31 Março 2020

A estação pública lançou um pacote de apoios à produção independente visual, numa altura em que se avizinha uma crise económica provocada pelo coronavírus. Mas não revela o montante envolvido.

A RTP lançou um pacote de apoio à produção independente audiovisual, com “impacto imediato” no setor, disse à Lusa o administrador Hugo Figueiredo. Entre as medidas previstas neste primeiro pacote de apoio está a antecipação dos prazos de pagamento para liquidação a pronto nas várias produções já entregues ou para entrega a curto prazo.

Este pacote “é para ter impacto imediato”, afirmou o administrador da RTP, salientando que com estas medidas pretende-se “ajudar na tesouraria das indústrias criativas”.

Outra das medidas é a melhoria das condições de pagamento para projetos de cinema, ficção e documentários já aprovados em consultas de conteúdo e que irão passar à fase de produção. “Queremos fazer pagamentos mais faseados”, acrescentou Hugo Figueiredo, referindo que com esta medida há um adiantamento de 25% no início da produção, 25% no final da produção e 50% com a entrega final.

Na música e artes performativas os adiantamentos poderão chegar até 50%. Esta antecipação na tesouraria “será provavelmente a medida mais bem recebida na fileira do cinema, séries e documentários”, considerou.

Já para a fileira do teatro/música, o administrador da RTP apontou que estão “a ser preparados projetos com entidades” nessas áreas. Tratam-se de projetos que não iriam ser produzidos e houve “um desafio grande aos diretores de programas para idealizarem em conjunto com os atores destas fileiras projetos inovadores”, prosseguiu.

A RTP prevê um reforço de investimento nas próximas semanas para aquisição de conteúdos de stock de produtoras independentes e direitos de interpretações de artes performativas, para exibição nos canais e antenas RTP, incluindo nas plataformas digitais. O administrador da RTP não adiantou valores de investimento, referindo que orçamento que estava previsto para a grelha será direcionado para este âmbito.

O pacote prevê particular ênfase, durante todo o ano, na programação de conteúdos de produção nacional nos canais, antenas e plataformas digitais. Além disso, está previsto o lançamento de um ciclo de concertos via web, a trabalhar e negociar com os artistas/agentes, para exibição nas plataformas digitais da RTP.

Hugo Figueiredo defendeu que iniciativas como as que têm sido desenvolvidas “por parte das indústrias criativas” em plataformas digitais como Facebook e Instagram, de forma gratuita, “possam ser apoiadas pela RTP”. “Foi muito bom este movimento para as pessoas que estão em casa e a RTP assumirá uma parte desse papel, com uma curadoria nossa”, acrescentou.

A realização de nova edição da consulta de conteúdos já em abril, para apresentação de projetos pelos produtores, é outra das medidas previstas: “Vamos antecipar o processo, queremos lançá-lo em abril e terminar antes do verão”, disse.

A RTP pretende também manter centenas de contratos de colaboradores e prestadores de serviço nas mais variadas áreas relacionadas com conteúdos, desde apoio a programas, conceção de formatos, trabalhos de pesquisa, guionistas, comentadores, apresentadores, responsáveis por rubricas, entre outros. “Vamos tentar ao máximo manter esses contratos”, sublinhou.

Hugo Figueiredo disse que é “um primeiro pacote de medidas”, que vão “ter impacto” no setor. A RTP irá contactar as associações representativas do setor e os produtores independentes, no sentido destas iniciativas entrarem em execução imediata, de acordo com a empresa.

Este pacote visa ajudar o setor da produção independente audiovisual, numa altura em que o país enfrenta uma pandemia do novo coronavírus e os impactos económicos decorrentes das medidas restritivas à circulação de pessoas e do normal funcionamento das empresas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

RTP lança pacote de apoio à produção independente audiovisual

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião