Fed mantém juros e compra de ativos. Mas Powell alerta que a “economia vai precisar de mais apoio”

Sem surpresa, não houve alterações nos instrumentos em vigor nos Estados Unidos. O presidente da Fed defendeu que o que está a ser feito é apropriado e considera que há espaço ajustamentos.

A Reserva Federal (Fed) norte-americana manteve tanto as taxas de juro como os programas de estímulos à economia inalterados na reunião de política monetária desta terça e quarta-feira. O banco central liderado por Jerome Powell garantiu que vai usar todos os instrumentos para apoiar a economia.

A Reserva Federal está empenhada em usar todo o conjunto de instrumentos para apoiar a economia norte-americana neste momento desafiante e, assim, promover os objetivos de máximo emprego e estabilidade dos preços”, pode ler-se no comunicado emitido após o encontro.

Após a reunião, o presidente da Fed, Jerome Powell, explicava que ainda há uma série de dimensões a que o banco central pode recorrer, lembrando que as políticas de crédito não têm limite máximo estabelecido. “Podem ser expandidas e podemos criar medidas novas”, afirmou, sublinhando que “a economia vai precisar de mais apoio de todos nós [Fed e Congresso]” para que a recuperação seja robusta.

A reunião termina no dia em que foram divulgados novos dados da economia norte-americana. A crescer há mais de dez anos, a expansão acabou no primeiro trimestre de 2020 e o PIB contraiu 4,8% por causa da pandemia.

“O surto de coronavírus está a causar um sofrimento tremendo a nível humano e económico tanto nos EUA como por todo o mundo”, sublinhou a Fed. “O vírus e as medidas adotadas para proteger a saúde pública estão a causar profundas quedas na atividade económica e um aumento no desemprego”.

Juros próximos de zero são para ficar. Não há pressa em retirar estímulos

A par do vírus, o tombo nos preços do petróleo — que chegou em Nova Iorque a negociar, na semana passada, em valores negativos — está a penalizar a inflação. Neste cenário, “o comité espera manter o intervalo de juros até ter confiança que a economia ultrapassou os eventos recentes e caminha para atingir máximo emprego e estabilidade de preços”.

O intervalo das taxas de juro da Fed mantém-se assim entre 0% e 0,25%, nível em que está após dois cortes inesperados motivados pela crise pandémica. Após o anúncio da decisão, que foi tomada por unanimidade pelos membros do comité de potítica monetária da Fed, Wall Street aprofundou os ganhos, com os três principais índices a valorizarem entre 2,5% e 3,5%.

“Quem está à espera de rendimentos das contas bancárias, não beneficia das baixas taxas de juro, mas temos de olhar de forma mais alargada para a eocnomia. Os juros baixos apoiam o emprego e a atividade económica”, defendeu Powell. “Os baixos juros são bonds. Podem não ser bons para toda a gente, mas isso não nos vai impedir de fazer o que achamos que é positivo para todos”.

Em simultâneo, o banco central tem em curso nove programas de emergência, incluindo compra de dívida pública e privada sem limites máximos, com a novidade de abranger papel comercial e obrigações com rating especulativo. O banqueiro central explicou que estas medidas estão já a ter efeitos nos mercados de crédito, tendo levado até a Fed a desacelerar a compra de ativos, em linha com o ajustamento possível.

Não vamos ter pressa em retirar ou reduzir nenhuma das medidas. Vamos esperar até estarmos suficientemente confiantes que a economia está no caminho da recuperação“, sublinhou. “Temos pensado muito sobre como será a política monetária nos próximos meses e irá depender dos potenciais cenários económicos. Pensamos nisso todos os dias. Mas neste momento, por agora, o que estamos a fazer é apropriado”.

(Notícia atualizada às 20h30)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fed mantém juros e compra de ativos. Mas Powell alerta que a “economia vai precisar de mais apoio”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião