Afinal são 19. São estas as freguesias da Grande Lisboa que ficam em “estado de calamidade”

Já é conhecida a lista das freguesias que ficam em estado de calamidade por causa da pandemia. E a primeira novidade é que... não são 15, mas 19, esclareceu o ministro Eduardo Cabrita.

Já é conhecida a lista de freguesias que vão continuar em estado de calamidade depois do Conselho de Ministros da próxima quinta-feira. Desde logo, há uma novidade: não deverão ser apenas 15 freguesias, como disse o primeiro-ministro na segunda-feira, mas sim um total de 19 freguesias de cinco concelhos da área metropolitana de Lisboa, garante agora o ministro da Administração Interna.

Estas são as zonas da Grande Lisboa onde se têm dado a maior parte das infeções por Covid-19 e o Governo acredita que, ao aplicar medidas específicas para estas regiões, será possível continuar a travar o surto sem prejudicar a retoma na totalidade do país. Em declarações transmitidas pela TVI24, Eduardo Cabrita revelou as freguesias em causa:

  • A totalidade do concelho da Amadora, nomeadamente as freguesias de Alfragide, Águas Livres, Falagueira/Venda Nova, Encosta do Sol, Venteira e Mina de Água.
  • A totalidade do concelho de Odivelas, nomeadamente as freguesias de Odivelas, Pontinha/Famões, Póvoa de Santo Adrião/Olival de Basto e Ramada/Caneças.
  • Seis das 11 freguesias do concelho de Sintra, nomeadamente Agualva/Mira Sintra, Algueirão/Mem Martins, Cacém/S. Marcos, Massamá/Monte Abraão, Queluz/Belas e Rio de Mouro.
  • Duas das dez freguesias do concelho de Loures, nomeadamente Camarate/Unhos/Apelação e Sacavém/Prior Velho.
  • Uma das 24 freguesias de Lisboa, nomeadamente a de Santa Clara.

Contas feitas, são 19 as freguesias que vão permanecer em estado de calamidade por causa da pandemia, incluindo dois concelhos na íntegra: “Os presidentes de Câmara entenderam que as medidas se deviam aplicar a todo o concelho”, justificou o ministro Eduardo Cabrita.

A decisão de apertar o combate à Covid-19 nestas zonas foi anunciada esta segunda-feira, depois de uma reunião entre autarcas e o Governo. O executivo vai também apertar o policiamento nas ruas para travar as festas ilegais, os estabelecimentos vão ter de fechar às 20h00 e os ajuntamentos de mais de dez pessoas passam a estar, novamente, proibidos. Desrespeitar as medidas pode constituir crime de desobediência, ou dar direito a multa de até 350 euros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Afinal são 19. São estas as freguesias da Grande Lisboa que ficam em “estado de calamidade”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião