Caiado Guerreiro é o escritório que tem mais mulheres sócias

A igualdade de género já se começa a sentir nas firmas de advogados. Mas no cargo de topo (sócio) apenas existem 32,6% de mulheres.

A paridade de géneros nos mais diversos setores ainda não é uma realidade, mas com o avançar do tempo as desigualdades começam a diluir-se. Portugal aparece em 16.º lugar no Índice da Igualdade de Género 2020, abaixo da média da União Europeia, tendo evoluído 1,7 pontos percentuais desde 2017, revelou o Instituto Europeu para a Igualdade de Género. Nas sociedades de advogados ainda existe um grande fosse de género no acesso aos cargos mais altos, como o de sócios.

Segundo um estudo da revista Iberian Lawyer, em 2020, as mulheres representavam 52,3% da profissão jurídica. A publicação espanhola sondou várias firmas portuguesas sobre o número de sócios, advogados e associados e quantos eram do sexo feminino.

Em 2020, em 20 sociedades de advogados a operar em Portugal existiam 2.117 advogados, sendo 1.108 mulheres, ou seja, mais de metade do sexo feminino (52,3%). A liderar a tabela encontra-se a SRS Advogados, com uma percentagem de 65,2% (60 advogadas), face ao número total de advogados, de 92.

Próxima do topo da tabela ficou a GPA com 63,1% dos seus profissionais do sexo feminino. Em terceiro lugar surge a CCA com 32 advogadas, relativamente ao total de 51 advogados. No top 5 estão ainda a PRA e a Caiado Guerreiro, com 60,6% e 59% respetivamente.

Nos lugares mais cimeiros da advocacia encontra-se a Caiado Guerreiro com uma percentagem de 61,5% de sócias.

Fonte: Iberian Lawyer

No que concerne à paridade de género nos cargos de associado e counsel, 58,6% destes cargos em 2020 encontram-se ocupados por mulheres – 929 dos 1.585. Em primeiro lugar na tabela encontra-se a DLA Piper, com 27 associadas/counsel face ao número total de 38. Ou seja, nesta firma este cargo é ocupado 71% por mulheres.

Em segundo lugar está a SRS Advogados com 70% dos seus profissionais do sexo feminino, seguindo-se a Campos Ferreira, com 69,2%, a Sérvulo, com 68,9%, e a CCA, com 65,8%.

Fonte: Iberian Lawyer

Mas quantas mulheres ocupam os lugares mais cimeiros da advocacia? Entre os 494 sócios das 20 sociedades de advogados sondadas pela Iberian Lawyer, apenas 161 são do sexo feminino, ou seja 32,6%.

No topo da tabela encontra-se a Caiado Guerreiro com uma percentagem de 61,5% (oito sócias), face ao número total de sócios, de 13.

Próxima do topo da tabela ficou a GPA com 57,1% dos seus sócios do sexo feminino. Em terceiro lugar surge a SRS Advogads com 18 sócias, relativamente ao total de 32 sócios. No top 5 estão ainda a CCA e a Miranda, com 53,9% e 40% respetivamente.

Fonte: Iberian Lawyer

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caiado Guerreiro é o escritório que tem mais mulheres sócias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião