A importância de (re)investir

Se a causa do baixo investimento das empresas assenta nas dificuldades de financiamento, por que razão os proprietários optam por descapitalizá-las em vez de nelas investirem?

Entre 2000 e 2013, os recursos gerados internamente revelaram-se insuficientes para financiar o investimento. Até à crise financeira internacional não houve restrições no acesso ao crédito, sendo assim supridas as necessidades de financiamento. A crise do euro levou a um processo muito rápido de correcção do desequilíbrio externo, através do aumento da taxa de poupança e da redução da taxa de investimento, situando-se ambas em torno dos 15% do PIB desde 2013.

O reequilíbrio externo talvez seja o maior sucesso do programa de ajustamento da troika. Mas a taxa de poupança da economia portuguesa continua entre as mais baixas dos países da OCDE e a taxa de investimento das empresas está em mínimos históricos. O aumento da taxa de investimento é uma condição necessária para um crescimento mais robusto e sustentado.

Um dos motivos para a preocupação com a baixa taxa de poupança são as dificuldades de financiamento da economia portuguesa. O elevado endividamento e a falta de confiança dos mercados financeiros internacionais não deixam alternativa ao aumento da poupança.

O governo tem atribuído o baixo investimento das empresas às dificuldades de financiamento, tendo colocado a situação dos bancos no centro da discussão política e criado o Programa Capitalizar. Este programa tem, entre outros, os objetivos “de promover estruturas financeiras mais equilibradas, reduzindo os passivos das empresas economicamente viáveis, ainda que com níveis excessivos de endividamento, bem como de melhorar as condições de acesso ao financiamento das pequenas e médias empresas”.

Da análise da situação financeira das empresas destacam-se os juros pagos e os lucros distribuídos. Os juros pagos (em torno dos 5 mil milhões de euros nos últimos anos) não surpreendem, dado o elevado endividamento das empresas portuguesas (ler O dinheiro dos outros). O mesmo não se poderá dizer em relação aos dividendos, que se situaram em torno dos 11 mil milhões de euros – ver Figura abaixo.

Rendimentos de propriedade pagos (sociedades não financeiras, milhões de euros) Fonte: INE
Rendimentos de propriedade pagos (sociedades não financeiras, milhões de euros)
Fonte: INE

 

O valor de dividendos distribuídos nos últimos anos é muito próximo do investimento realizado pelas empresas. Por exemplo, em 2014, as empresas investiram cerca de 12,5 mil milhões de euros (25 mil milhões em 2008) e distribuíram lucros num montante de cerca de 11,5 mil milhões de euros (14 mil milhões em 2008).

Se a causa do baixo investimento das empresas portuguesas são as dificuldades de financiamento, a pergunta que temos de fazer é por que razão os proprietários optam por descapitalizá-las em vez de nelas reinvestirem.

Num contexto de baixas rendibilidades, o facto de os proprietários das empresas não considerarem o reinvestimento como uma boa opção merece reflexão. Será um problema de falta de confiança na economia portuguesa?

Identificar as causas do prolongado processo de descapitalização das empresas portuguesas, em curso há mais de uma década, é o primeiro passo para definir políticas eficazes de incentivo ao investimento. O reinvestimento dos lucros resultaria num aumento simultâneo da poupança e do investimento. Por outro lado, o financiamento do investimento por capitais próprios constituiria um incentivo à realização de investimentos com maior retorno, reduzindo o risco para o sistema financeiro.

Finalmente, uma economia que não consiga convencer os empresários nacionais a investir também não vai ser bem-sucedida na atracção de capitais do exterior. Assim, a definição de políticas que visem estimular o investimento e melhorar as condições de financiamento das empresas têm de fornecer incentivos ao reinvestimento dos lucros das empresas.

Esta é uma das questões que explorámos num novo trabalho, apresentado na semana passada, Poupança e Financiamento da Economia Portuguesa – de que sou co-autor, com o Luís Aguiar-Conraria, o Miguel Portela e o Pedro Bação – realizado para a Associação Portuguesa de Seguradores.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A importância de (re)investir

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião