Imigração?

Mais do que na imigração, é na natalidade que nos devemos focar.

De tempos a tempos, somos confrontados com a ideia de que nos teremos que habituar à imigração, porque vamos precisar dela de forma maciça, quer para evitar uma forte diminuição da população, quer para ajudar a sustentar a Segurança Social.

Em primeiro lugar, tem que se esclarecer que, se a médio e longo prazo isso poderá fazer algum sentido, a curto prazo não faz muito sentido. Ainda temos uma taxa de desemprego muito elevada, que vai levar uns bons anos a baixar, para além de um contingente significativo de emigrantes recentes, fugidos da crise, e que deveremos tentar recuperar.

Em segundo lugar, temos que ter muito cuidado com os imigrantes que iremos captar, em dois planos: o cultural e o económico. Em termos económicos, a coisa resolve-se por si porque, em princípio, atrairemos os imigrantes com as qualificações que nos escasseiam, porque os indiferenciados procurarão outros países onde o nível de vida é superior.

Em termos culturais é que a coisa é mais complicada. Antes de mais, precisamos de tomar consciência que temos tido uma sorte enorme com os imigrantes que temos acolhido, quase todos de base cristã, com uma minoria muçulmana muito mais pacífica do que é comum em outros países europeus.

Aqui vou ser muito politicamente incorrecto e afirmar, sem tibiezas, que o Islão apresenta dois graves problemas. Por um lado, não existe aí a separação entre Estado e religião que existe no Ocidente há muito tempo e, por outro – e muito mais grave – os países onde esta religião predomina vivem uma regressão civilizacional grave, com um peso crescente da religião, mais intolerante e agressiva do que no passado e com uma regressão nos direitos cívicos, em particular das mulheres e das orientações sexuais minoritárias.

Estou convicto de que essa regressão do Islão está por trás de uma atitude muito mais agressiva dos seus adeptos na Europa e, como resposta, do crescimento explosivo de uma extrema-direita nacionalista e quase tão intolerante como o islamismo que a fomenta.

Quando oiço sugerir que se atraiam imigrantes do Norte de África muçulmana, fico com os cabelos em pé. Como é possível pensar em destruir a nossa excepcionalidade na Europa e criar as condições para o aparecimento de uma extrema-direita nacionalista e intolerante, com todas as condições para colocar em causa a própria democracia no nosso país?

Para além disso, para que os imigrantes possam servir para salvar a Segurança Social, é necessário que a sua taxa de fecundidade seja muito superior à portuguesa. Mas, se isso acontecer, então, a prazo, eles passariam a ser a maioria da população, pondo em causa a identidade nacional. De novo, têm a certeza de que é isto que querem?

Por tudo isto, defendo que a chave da questão está na natalidade, porque ela é também a origem do problema. Há uma tendência muito portuguesa de, em vez dum foco na fonte da questão, procurar um remendo que gera mais problemas do que os que resolve.

O problema da queda da natalidade afecta todos os países europeus há varias décadas, tendo desencadeado um conjunto diferenciado de políticas que permitiram a inversão daquela tendência nos últimos anos. Só há um país onde ainda não se fez nada (para além de medidas folclóricas como baixar o IVA das fraldas) e a taxa de fecundidade continua a bater mínimos todos os anos: Portugal.

Repetindo o que venho defendendo há anos: não será já altura de se criar um Livro Branco sobre a Natalidade, que recolhesse as múltiplas experiências dos restantes países europeus, para ver o que funcionou e o que não produziu resultados, para se desenharem medidas para o nosso país?

Por opção própria, o autor não escreve segundo o novo acordo ortográfico

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Imigração?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião