Pharol vê a luz oito sessões depois

Títulos da Pharol avançaram pela primeira vez em oito sessões. Disparo de 4% da antiga PT SGPS não foi suficiente, ainda assim, para evitar as perdas em Lisboa. Europa também cedeu.

O dia até começou bem na praça portuguesa, mas o início da tarde, com a inversão da tendência na Europa, trouxe consigo alguma aversão ao risco. Principais alvos da pressão vendedora no PSI-20? BCP e EDP, que fecharam a cair 3,43% e 1,42%, respetivamente, liderando as perdas no índice nacional que encerrou com uma perda de 0,21% para 4.395,09 pontos.

Por esta altura, os investidores continuam na expectativa em relação àquilo que poderá ser o plano orçamental de Donald Trump nos EUA. Se os estímulos da próxima administração norte-americana podem fazer descolar a maior economia do mundo, beneficiando o setor empresarial, o risco de aceleração inflação nos EUA agravou-se igualmente, deixando a Reserva Federal norte-americana mais perto de uma subida das taxas de juros mais cedo do que o esperado. As apostas dos investidores deixam poucas dúvidas: a Fed deverá começar a levantar os juros de mínimos históricos já em dezembro.

Sessão desta quarta-feira foi de recuperação

pharol-01
Fonte: Bloomberg (valores em euros)

A Europa fechou em queda, com o Stoxx 600 a perder -0,17% para 338,57 pontos. Nos restantes principais índices europeus, de Madrid a Milão, passando por Frankfurt, as quedas situaram-se entre os 0,5% e os 1%, depois de um arranque de sessão em terreno positivo.

“Estas variações mostram como as ações europeias não conseguem aguentar-se por elas próprias neste momento”, referiu Steven Santos, corretor do BiG, à Bloomberg. “Os investidores estão a recuperar da semana de eleições, focando-se no que vem a seguir e a aperceberem-se que as coisas na Europa continuam não muito positivas. Não há muita convicção no rumo a seguir. Mas há muito dinheiro a ser empregue e é por isso que o mercado continua instável”, acrescentou.

"Estas variações mostra como as ações europeias não conseguem aguentar-se por elas próprias neste momento. Os investidores estão a recuperar da semana de eleições, focando-se no que vem a seguir e a aperceberem-se que as coisas na Europa continuam não muito positivas. Não há muita convicção no rumo a seguir. Mas há muito dinheiro a ser empregue e é por isso que o mercado continua instável.”

Steven Santos,

Banco BiG

Em Lisboa, depois de perder 25% do seu valor em oito sessões, a Pharol recuperou na sessão de hoje. As ações dispararam mais de 4% para os 0,19 euros, colocando um ponto final em sete sessões de perdas.

“A explicação para esta fragilidade são essencialmente duas. A primeira foi a queda das bolsas das economias emergentes, desencadeada pela vitória de Donald Trump. A possibilidade da imposição de tarifas alfandegárias e a revisão dos tratados penaliza, em primeiro lugar, os países emergentes pois as exportações constituem um motor importante da economia”, referiram os analistas do BPI no seu Diário de Bolsa.

“No caso brasileiro a esta razão adicionou-se a forte quebra da cotação das commodities, que constituem a principal exportação deste país. A segunda razão para a correção das ações da Pharol é o facto do seu principal ativo, a Oi, estar envolvida num complexo processo de renegociação da dívida. Estes processos prolongam-se no tempo e como tal são permeáveis a rumores e a notícias”, acrescentaram os responsáveis.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pharol vê a luz oito sessões depois

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião