Moscovici apoia continuidade de Christine Lagarde à frente do FMI

  • ECO
  • 20 Dezembro 2016

Após a condenação de Christine Lagarde, a diretora-geral do Fundo Monetário Internacional tem recebido apoio. Pierre Moscovici, comissário europeu, juntou-se às mensagens positivas para Lagarde.

O comissário europeu dos Assuntos Económicos, o francês Pierre Moscovici, apoiou esta terça-feira a continuidade da compatriota Christine Lagarde à frente do Fundo Monetário Internacional (FMI), apesar de ter sido declarada culpada de negligência quando era ministra da Economia de França.

“Conheço-a bem e estará pessoalmente afetada. Acredito que tem que continuar a sua tarefa e que a decisão da Justiça tem de ser avaliada tal e como foi adotada”, sublinhou Moscovici à televisão BFMTV.

O comissário referia-se à sentença do Tribunal de Justiça da República francês (CJR) de não impor a Lagarde qualquer pena, apesar da culpabilidade na gestão da multimilionária indemnização atribuída ao empresário Bernard Tapie. Moscovici sublinhou que a decisão dos magistrados “não é desproporcionada” e pediu respeito por aquele tribunal, muito criticado nas últimas horas em França.

O CJR é uma instância especial formada por três magistrados profissionais e 12 deputados, que julga ministros e ex-ministros por presumíveis delitos cometidos durante a sua função governamental.

O CJR considerou, na segunda-feira, a atual diretora-geral do FMI culpada de “séria negligência”, no caso de um pagamento estatal a um empresário, quando Christine Lagarde era ministra das Finanças da França.

Christine Lagarde afirmou na segunda-feira que não vai recorrer da decisão que a considerou culpada de “negligência”, na questão da arbitragem da Tapie.

Apesar da sentença, o FMI reiterou “total confiança” na gestão de Lagarde, que é diretora-geral da organização desde que em 2011 substituiu o compatriota Dominique Strauss-Kahn, demitido por um escândalo sexual.

Moscovici, que àquela demissão era próximo de Strauss-Kahn, afirmou esta terça-feira que Lagarde é alguém “de boa ética e honestidade” e que “faz bem o seu trabalho”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moscovici apoia continuidade de Christine Lagarde à frente do FMI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião