Para 2017, Caldeira Cabral quer “um ano ainda melhor”

  • Lusa
  • 23 Dezembro 2016

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, indicou que o Governo vai "continuar a trabalhar para que 2017 possa ser melhor do que 2016". Fala de investimento, de fundos comunitários e de turismo.

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, apontou esta sexta-feira para o maior equilíbrio do crescimento da economia portuguesa este ano, assente no aumento da procura interna mas também das exportações, considerando que 2017 pode ser um ano ainda melhor. “Estamos a continuar a trabalhar para que 2017 possa ser melhor do que 2016. 2016 foi melhorando ao longo do ano e o que queremos é que 2017 seja um ano ainda melhor”, afirmou o governante em declarações à Lusa.

E realçou: “Em 2016 conseguimos ter uma aceleração do crescimento ao longo do ano: no segundo trimestre crescemos mais do que no primeiro e no terceiro trimestre crescemos mais do que no segundo. Tivemos um crescimento mais equilibrado, que foi puxado pela procura interna, mas também pelas exportações. E neste terceiro trimestre as exportações tiveram um papel muito importante”.

Caldeira Cabral apontou também para “a forte afirmação do investimento em alguns setores como o automóvel, com novos projetos de quase todas as grandes empresas que” estão no país, como a Volkswagen, o Grupo PSA, a Renault, todos a anunciarem grandes investimentos, e com empresas como a Bosh e a Continental, também dessa fileira, a fazerem grandes investimentos”.

Segundo o ministro, “há também um padrão de investimento diferente”, que assenta não só na produção, mas também na inovação, com Caldeira Cabral a apontar para os investimentos significativos em centros tecnológicos feitos por empresas como a Bosh, a Siemens ou a Altice.

“São investimentos que trazem para Portugal não só produção, mas também a parte da conceção, inovação e desenvolvimento de produtos, e que demonstram que Portugal neste momento não é visto como um país de mão-de-obra barata, mas antes como um país que pode ser muito competitivo e ser um lugar muito atraente para produzir para o mundo em setores mais exigentes, em áreas de produção que requerem engenharia e capacidade de inovação. Portugal está a dar uma boa resposta”, assinalou.

Caldeira Cabral também salientou o reforço dos fundos comunitários, feito para acelerar o investimento, considerando que o ministério que tutela deu “uma boa resposta”. De acordo com o responsável, o Governo estava empenhado em ter até ao final do ano 450 milhões de euros destes fundos nas empresas e essa meta já foi ultrapassada. “Já ultrapassámos 460 milhões de euros e estamos a continuar a dar apoios às empresas”, destacou.

“O que é importante é verificar que as empresas estão de facto a confiar em Portugal e a investir em áreas tão diferentes como o setor automóvel ou o setor aeronáutico, o setor do calçado, o setor têxtil, no agroalimentar também há muitos investimentos interessantes e alguns de origem estrangeira e com volumes consideráveis”, acrescentou. E salientou também a importância do setor do turismo para a economia portuguesa, isto, num ano em que todos os recordes vão ser batidos.

“No turismo, temos centenas de hotéis neste momento a serem construídos ou renovados, e estamos a ter um ano recorde. 2016 vai ser o melhor ano de sempre e vai ser um ano com um crescimento muito forte e que, como se viu nos últimos números de outubro, está a haver um crescimento principalmente no que era a época baixa”, vincou. Mais, o ministro realçou que o turismo “está a crescer também em regiões que não tinham tanta intensidade turística”, apontando para a região Norte e a Região Autónoma dos Açores.

“É interessante ver que o turismo se está a espalhar ao longo de todo o ano, invertendo um pouco a tendência de sazonalidade que existe no setor, e isso é muito importante para a estabilidade no emprego, para o reforço da formação e para o investimento. Mas está também a espalhar-se por todo o território”, rematou.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Para 2017, Caldeira Cabral quer “um ano ainda melhor”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião