Meo entra no mercado dos alarmes, mas pisca o olho às casas inteligentes

O novo serviço da Meo, Smart Home, custa 13 euros por mês após 50 euros de entrada. São vários sensores de segurança, num piscar de olho ao mercado das casas inteligentes.

Quando se pensa em casas inteligentes, pensa-se em preços exorbitantes. No entanto, essa ideia tende a ficar obsoleta com a democratização da tecnologia e a tendência de queda nos preços. A chegada das grandes empresas ao setor ajuda a isso mesmo e, em Portugal, uma operadora acaba de lançar um piscar de olho a esse segmento: através de uma mensalidade, a Meo quer transformar a sua casa numa casa inteligente.

O serviço Meo Smart Home define-se como “uma solução de casa inteligente” que custa 50 euros de entrada mais uma mensalidade de 13 euros. Ao fim de 36 meses de serviço, o preço mensal cai para 7,5 euros. E o que inclui? “Uma câmara de vídeo, um sensor de abertura de portas e janelas, uma sirene interior, um detetor de fumo, um telecomando, uma central de controlo” e “uma placa e autocolantes dissuasores”.

Contas feitas, o pacote mais básico é mais uma solução de alarme e segurança do que uma solução de verdadeira domótica. Mas é a porta de entrada da empresa no mercado da internet das coisas. A Boston Consulting Group estima que estes serviços gerem 60 mil milhões de euros em receitas até 2020, de acordo com dados citados pela Forbes. Em alguns mercados, a Vodafone também tem um serviço semelhante, com o mesmo nome.

O pacote inicial:

Alguns dos sensores e acessórios incluídos no pacote base do serviço.

Com este serviço da Meo, é possível “gerir e controlar todos os dispositivos” à distância de um clique e através de qualquer ecrã. Há ainda “a possibilidade de adquirir outros dispositivos separadamente, sendo a solução adaptável às necessidades de cada cliente”, refere a marca.

Assim, deverá poder aceder à videovigilância em direto da sua casa a partir de qualquer lugar, gravar continuamente durante 24 horas e armazenar gratuitamente durante 30 dias na cloud e, segundo a marca, “sempre que for, por exemplo, detetado movimento ou acionado o alarme de intrusão, incêndio ou outro, os clientes receberão uma mensagem por SMS ou uma chamada de alerta”. “A sirene interior e o detetor de fumo têm também alarmes sonoros”, acrescenta.

À parte, é possível adquirir outros sensores que aproximam o serviço de uma verdadeira solução de casa inteligente. Entre os acessórios está um detetor de fugas de água, a sirene exterior, as tomadas e as lâmpadas inteligentes, os interruptores sem fios, o medidor e humidade e temperatura e um painel de controlo.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Meo entra no mercado dos alarmes, mas pisca o olho às casas inteligentes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião