Direitos da REN disparam 20%. Ações vão à boleia

Direitos de subscrição de novas ações da REN estão a disparar esta quarta-feira mais de 20%, dando um forte impulso às ações. Papéis da gestora da rede elétrica ganham mais de 3% no PSI-20.

Os direitos de subscrição do aumento de capital da REN estão a disparar esta quarta-feira na bolsa, desempenho que está a impulsionar a cotação das ações da gestora da rede elétrica nacional no PSI-20.

Estes títulos que permitem subscrever novas ações da gestora da rede elétrica valorizam 20,6% para cotar nos 0,158 euros, perto do preço teórico (0,159 euros) com que foram emitidos no âmbito do aumento de capital de 250 milhões de euros que se encontra em curso.

Neste cenário, as ações da REN estão também sob forte pressão compradora na bolsa: ganham 3,56% para 2,505 euros, depois de algumas sessões em baixa.

Até à próxima sexta-feira, dia 1 de dezembro, ainda vai ser possível negociar direitos de subscrição do aumento da capital da REN. Como cada quatro direitos permitem comprar uma nova ação que a REN vai emitir ao preço de 1,877 euros, isto quer dizer que um investidor terá de desembolsar cerca de 2,5 euros se quiser participar no aumento de capital — é o resultado da soma do valor de quatro direitos mais o preço de exercício de subscrição uma nova ação.

Não há dúvidas de que tanto os direitos de subscrição como as ações da REN estão a registar forte apetite do mercado esta quarta-feira. Isto acontece depois de o Haitong ter melhorado a recomendação sobre a gestora liderada por Rodrigo Costa de “Neutral” para “Comprar”, atribuindo ao título um potencial de valorização de 24%.

“Melhoramos a recomendação da REN de “Neutral” para “Comprar” depois de a pressão vendedora a curto prazo oriunda da emissão de direitos ter colocado as ações da REN num nível de avaliação muito apelativo: o nosso preço-alvo de 3,00 euros por ação oferece um potencial de valorização de 24%“, justificam os analistas do Haitong.

REN com direito a brilhar

Salientam ainda que a baixa da cotação das ações tornou o dividendo da REN bem mais atrativo. “Notamos que o atual dividend yield de 7,1% representa um spread e 5,1% face às obrigações a dez anos portuguesa. Vemos este dividendo como sustentável e esperamos que a companhia mantenha o dividendo por ação nos 0,171 euros nos próximos anos”.

"Melhoramos a recomendação da REN de “Neutral” para “Comprar” depois de a pressão vendedora a curto prazo oriunda da emissão de direitos ter colocado as ações da REN num nível de avaliação muito apelativo: o nosso justo de três euros por ação oferece um potencial de valorização de 24%.”

Haitong

Nota de research

De acordo com o Haitong, na base da pressão vendedora que os direitos vinham a registar nas sessões anteriores estaria o facto de o segundo maior acionista da REN, a Oman Oil (com 15%), não se ter comprometido com a participação no aumento de capital, “o que sugere que inundação de 80 milhões dos seus direitos no mercado poderá ser uma das principais causas” da desvalorização deste direitos.

Esta operação vai contar com a participação irrevogável de acionistas representando 35% do seu capital. Entre eles estão os chineses da State Grid e da Fidelidade, adiantou a gestora da rede elétrica.

(Notícia atualizada às 12h49 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Direitos da REN disparam 20%. Ações vão à boleia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião