Oi está prestes a ter luz verde para o aumento de capital

A Oi está prestes a ter carta branca para avançar com o aumento de capital. O regulador brasileiro da concorrência deferiu o pedido da operadora. Decisão deverá ser confirmada em julho.

Está praticamente tudo pronto para que avance o aumento de capital da Oi. A última formalidade foi concluída pelo regulador brasileiro da concorrência, deferindo um requerimento da operadora para que possa seguir com a operação. O processo só fica mesmo encerrado no mês que vem — mas, confirmando-se o deferimento, ficam preenchidos todos os requisitos para o aumento de capital prosseguir.

Num comunicado enviado aos mercados, a Oi “vem informar aos seus acionistas e ao mercado em geral que tomou ciência de despacho proferido pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) deferindo o pedido da Oi pelo não conhecimento da operação de aumento de capital da companhia”, lê-se na nota.

“Deve-se ainda aguardar até o dia 4 de julho de 2018 para o encerramento do processo no CADE. Após essa data, não tendo havido manifestações contrárias, a decisão do CADE restará plenamente confirmada”, informa a Oi. Se isso acontecer, ficam preenchidos os requisitos para prosseguir com o aumento de capital da empresa contemplado no plano de recuperação da companhia.

Nesse sentido, a Oi assume que, “com a confirmação da decisão do CADE, e considerando a decisão do Conselho Diretor da Anatel que concedeu a anuência prévia solicitada pela Oi para a realização do aumento de capital, terão sido devidamente verificadas ou dispensadas todas as condições precedentes estabelecidas no plano para a realização do aumento de capital”, refere o comunicado submetido à CMVM pela maior acionista da Oi, a empresa portuguesa Pharol.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Oi está prestes a ter luz verde para o aumento de capital

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião