Trump quer dar uma ajuda a Itália com compra de dívida

Com o menor apetite dos investidores, Itália pode estar em maus lençóis quando for aos mercados em 2019 para colocar até 400 mil milhões de euros. Mas os EUA estarão dispostos a ajudar Giuseppe Conte.

Donald Trump estará disposto a ajudar financeiramente Itália. Durante uma reunião em Washington, que decorreu no final do mês passado, o Presidente norte-americano terá mostrado ao primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, disponibilidade para ajudar o país no financiamento da dívida pública já em 2019.

A notícia foi avançada esta sexta-feira pelo Il Corriere della Sera, que cita oficiais seniores italianos, num artigo em que começa por salientar que os investidores privados estão cada vez mais relutantes em apostar nas obrigações italianas. Sobretudo numa altura em que se aproxima o período de elaboração do Orçamento do Estado e em que há incerteza, por exemplo, em torno das metas do défice.

O recém-empossado líder do Governo italiano esteve na Casa Branca no final de julho e terá falado deste problema a Donald Trump. Da reunião terá saído a garantia de que os Estados Unidos têm abertura para ajudar Itália a financiar-se nos mercados a partir do ano que vem. Em 2019, o país deverá recorrer aos mercados para colocar cerca de 400 mil milhões de euros, mais de metade do valor em títulos de médio e longo prazo, de acordo com o mesmo jornal.

Vários foram os temas debatidos na reunião entre os dois líderes na Casa Branca, no passado dia 30 de julho. Assim, a dívida pública italiana terá sido um deles e o certo é que, como nota o Il Corriere della Sera, Giuseppe Conte publicou no Facebook, após a reunião, um vídeo em que Donald Trump aparece a convidar investidores a apostarem em Itália.

Apesar da oferta norte-americana, o jornal admite que não é claro como é que este cenário se poderá materializar. Isto porque o Governo norte-americano não tem um fundo soberano nem pode coordenar fundos ou influenciar os bancos privados.

Na mesma linha, vale a pena recordar que, há poucos dias, o ministro dos Assuntos Europeus italiano, Paolo Savona, chegou a admitir que, se o Banco Central Europeu não apoiar o processo de financiamento de Itália, o país poderia tentar obter uma “garantia” da Rússia sobre os títulos de dívida pública soberana. Também não é claro como é que isso poderia ser realidade.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump quer dar uma ajuda a Itália com compra de dívida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião