Vender já a Oi? Fundos só saem quando começar a dar lucro

Os fundos de investimento que controlam a Oi deverão focar-se em melhorar as contas da operadora antes de alienarem as suas posições, segundo a Reuters.

Os fundos de investimento que controlam a Oi pretendem melhorar primeiro as contas da empresa antes de se desfazerem das participações. A notícia foi avançada esta sexta-feira pela Reuters. Até aqui, acreditava-se que, concluída a operação de conversão de dívida da Oi em capital, estes fundos procurariam vender as respetivas posições no curto prazo.

A agência cita duas fontes não identificadas para indicar que os fundos, como o Solus Altenative, o GoldenTree e o York Capital Management, estão focados em melhorar as operações da maior telecom brasileira. Só depois estará em cima da mesa a possibilidade de alienarem as suas participações.

Uma das fontes salientou que os fundos tencionam, com a melhoria da empresa, aumentar o valor das suas participações para encaixarem uma mais-valia maior com a venda. Além disso, o facto de a Oi estar em litigância com o regulador das telecomunicações Anatel, que reclama 14 mil milhões de reais em multas regulatórias, é visto como um atrito a uma operação satisfatória para estas empresas. Como recorda a Reuters, a Anatel obrigou a que este valor não contasse como crédito.

A Oi já concluiu a primeira fase do plano de recuperação, através do qual foram convertidos créditos em capital da empresa. A portuguesa Pharol, que era a maior acionista, acabou por ver a sua posição ser diluída para 7,85%, sendo ultrapassada pelos fundos de investimento. O próximo passo é o aumento de capital em dinheiro fresco, no valor de mil milhões de dólares.

A operadora fechou o segundo trimestre do ano com um portefólio de 59 milhões de clientes, uma queda de 6% face ao período homólogo. A retenção de subscritores e atração de novos clientes será um dos maiores desafios para a próxima temporada.

(Notícia atualizada às 16h53 com mais informações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vender já a Oi? Fundos só saem quando começar a dar lucro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião