Cinco anos depois do resgate da troika, Portugal ainda enfrenta desafios, diz o jornal espanhol Expansión

  • ECO
  • 12 Maio 2019

Cinco anos depois de sair do resgate financeiro da troika, Portugal ainda tem pela frente alguns desafios, diz o jornal espanhol. Elevada dívida pública e reclamações da função pública são alguns.

Portugal terminou o resgate financeiro com a troika em maio de 2014 mas, cinco anos depois, ainda enfrenta desafios, diz o jornal espanhol Expansión. Uma dívida pública elevada, crédito moroso, reclamações da função pública e o pagamento de 50 milhões de euros em empréstimos dos credores europeus são os desafios que o país ainda tem pela frente.

Foi em maio de 2014 que Portugal deixou oficialmente de estar sob a tutela da troika, três anos depois de um severo programa de austeridade em troca de 78 milhões de euros emprestados pela UE e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). Cinco anos depois, os dados macroeconómicos mostram uma realidade muito diferente daquela que o país viveu na altura em que teve de recorrer à ajuda externa pela terceira vez.

Nos três anos consecutivos — 2011 a 2013 — que a economia do país esteve em recessão, encerrou o ano passado com uma subida de 2,1%, enquanto a taxa de desemprego, que atingiu cerca de 13% em 2013, fechou o ano passado com 7%. Já o défice público ficou nos 0,5%, longe dos 11% em que terminou em 2011.

Contudo, diz o Expansión, embora os números tenham melhorado e os portugueses tenham dito adeus a algumas das medidas de austeridade impostas pela troika, os efeitos da crise ainda são visíveis. “Há muitas áreas onde esses efeitos ainda não desapareceram e, no geral, há um receio no subconsciente dos portugueses de regressar ao passado”, disse Manuel Puerta da Costa, presidente da Associação Portuguesa de Analistas Financeiros (APAF), ao jornal espanhol.

Do exterior, as agências de rating e as organizações internacionais apontam outros desafios que o país ainda tem pendentes, especialmente ao nível da dívida pública e do crédito moroso no setor bancário. No caso da dívida pública, embora não tenha parado de crescer em termos absolutos, encerrou 2018 em 121,5%, abaixo do pico de 133% que tinha registado em 2014. Já na banca, vários bancos ainda continuam a revelar problemas. O Novo Banco, criado com os ativos saudáveis do falido Banco Espírito Santo (BES), teve de receber uma injeção de capital de 1.149 milhões de euros esta semana.

Além disso, cinco anos depois de sair do resgate, Portugal ainda tem de pagar os mais de 50 milhões de euros emprestados pelos credores europeus. O empréstimo que veio do FMI foi completamente liquidado, cerca de 26 milhões de euros, levando o país a poupar 100 milhões de euros.

Estes desafios não negam que Portugal parece ter recuperado a credibilidade externa, como mostram as classificações das agências de rating, e até mesmo a nomeação de Mário Centeno como presidente do Eurogrupo. Contudo, ainda há riscos: “Os riscos de sustentabilidade dos défices públicos (próximo do zero) e a incapacidade de fazer novos investimentos públicos para melhorar os serviços de saúde, educação e infraestruturas, e para alcançar acordos de regime para as reformas estruturais necessárias são ainda assuntos pendentes”, rematou Manuel Puerta da Costa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cinco anos depois do resgate da troika, Portugal ainda enfrenta desafios, diz o jornal espanhol Expansión

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião