Neste rent-a-car só pode escolher um Model… da Tesla

Dezassete sócios e aficcionados da marca de Elon Musk juntaram-se para criar uma rent-a-car que permite alugar ao dia todos os modelos existentes da Tesla. E até a Tesla gosta do negócio.

O ecrã marca 60% de bateria. Coloca-se o destino, de Lisboa ao Porto. Mais uma paragem obrigatória em Fátima. Para recarregar.

João Marcos Marchante explica, um por um, os passos para fazer uma viagem sem sobressaltos. Quer dizer, mais ou menos: é que, na verdade, João só passa a palavras o que se pode ver no ecrã assente no tablier do Model X, um dos oito automóveis Tesla que a Watts on wheels tem para alugar. Este carro é “anti-erro”, garante.

João é um dos 17 sócios fundadores da empresa, criada por apaixonados e aficionados da Tesla, em particular, e da mobilidade elétrica, em geral. A ideia de começar uma rent-a-car dedicada a veículos elétricos surgiu no grupo de Facebook “Tesla Club de Portugal”. “É um grupo que junta os entusiastas todos de Portugal. Eu estava lá porque gosto dos carros, às vezes dizia coisas que já sabia quando aparecia alguém que sabia ainda menos do que eu. A ideia surgiu no meio de uma conversa a propósito do quinto modelo anunciado pela Tesla e que a marca vai lançar, um Roadster 2, um super carro: faz dos 0 aos 100 em 1,9 segundos, autonomia gigantesca e uma performance brutal comparada com outros ‘supercarros’ e que vai custar 250 mil euros, um preço baixo para um hiper carro. Um elétrico, ninja, espetacular, por 250 mil”, relembra João.

Comentário puxa comentário, a Tesla tinha pré-reservas anunciadas e houve uma pessoa no grupo que propôs, “meio a brincar, meio a sério”, a compra conjunta do carro, numa operação que poderia ser gerida através de um modelo de time sharing. “52 pessoas, 52 semanas num ano, uma para cada investidor. Havia o problema do titular do carro, e surgiu a ideia de criar uma rent-a-car para evitar semanas sem ocupação e fazer render o investimento. Só que uma rent-a-car, por lei, tem de ter pelo menos sete carros”, explica João Marcos Marchante. Foi daí que pareceu surgir a oportunidade de negócio.

No grupo, os mais entusiastas da ideia decidiram marcar encontro presencial. Local escolhido? Fátima. E não foi só por fé no negócio. “Fátima foi onde foi inaugurado o primeiro supercarregador da Tesla em Portugal, é literalmente um ponto de peregrinação na A1″. Esse foi apenas o primeiro encontro. Os sócios juntaram-se mais vezes, numa série de reuniões, e perceberam que o fornecedor poderia bem ser potencial cliente.

Vejamos: a Tesla, como política de manutenção e costumer service, dá um carro de cortesia quando o veículo do proprietário demora mais de quatro horas a ser devolvido. Problema: a Tesla tem carros de cortesia mas, muitas vezes, faltam. “E não há carros destes para alugar em Portugal”, assegura João. Oportunidade: um dono de um carro que anda “a eletrões” não ficará muito satisfeito se, ainda que temporariamente, lhe derem um carro a gasóleo em troca do seu veículo verde. “Juntou-se a fome à vontade de comer porque, por um lado, a Tesla não tinha carros suficientes e queria desfazer-se dessa frota, alugando mais carros. Se esta rent-a-car fosse só Tesla, serviríamos a Tesla para nós próprios. Abordou-se a Tesla de alguma forma: foi uma mistura da brincadeira do Roadster com a lei para abrir uma empresa com um mínimo de sete carros, mais o argumento de ajudar a própria Tesla a servir melhor os seus clientes”, detalha João. Negócio pensado, negócio feito.

Isto é uma experiência, é como ir jantar a um restaurante com duas estrelas Michelin. É uma experiência, sobre rodas.

João Marcos Marchante

Cofundador da Watts on wheels

“Isto é uma experiência, é como ir jantar a um restaurante com duas estrelas Michelin. É uma experiência, sobre rodas”, defende João Marcos Marchante. “Claro que serve para suprir necessidades de mobilidade de alguém mas isso é extremamente redutor”, sublinha.

Lançada no final do ano passado, a Watts on Wheels tem atualmente oito Tesla disponíveis para aluguer — Model S, Model X e Model 3 –, assegurando pelo menos um exemplar de cada modelo lançado pela marca de Elon Musk. Os preços por dia/carro começam nos 165 euros e incluem o seguro contra todos os riscos, uma franquia, caução, carregamentos ilimitados na rede Tesla e não tem limite de quilómetros. O valor por dia diminui mediante a duração do período de aluguer: quantos mais dias, menor o preço diário.

Presença em casamentos

“Este fez uma presença num casamento”, conta João, a propósito do Model X, o maior da Tesla e com espaço para sete pessoas. O carro é único na frota da Watts on wheels e um dos favoritos dos clientes. Estes variam muito em termos de perfil: vão desde mulheres que querem surpreender os seus maridos a um avô que, em vez de comprar um presente ao neto, alugou o seu Tesla favorito para o levar a dar um passeio.

João Marcos Marchante, um dos 16 sócios da Watts on wheels.Hugo Amaral/ECO

O serviço está disponível em duas localizações no país — Lisboa e Porto — e, além do negócio B2C, a Watts on wheels começa agora a dar os primeiros passos em B2B. “Estamos a abordar empresas com posicionamento verde que queiram experimentar, apaparicar um cliente ou tenham, por exemplo, uma bolsa de rent-a-car dentro da empresa”, conta o cofundador. Tudo baseado na simplicidade do serviço.

“Dizemos muito que isto é para tratar como um telemóvel: o cliente chega a qualquer lado, o carro vai carregar como carrega o seu telefone. Como quando chegamos a um restaurante e estamos sem bateria e pedimos se se pode pôr a carregar um bocadinho. É só perguntar se tem uma ficha”, explica.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Neste rent-a-car só pode escolher um Model… da Tesla

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião