Agência DBRS espera “mais do mesmo” com próximo Governo

Após a vitória do PS e de António Costa nas eleições, a agência canadiana não espera grande mudanças na condução do país. Resultados apontam para "uma continuidade nas políticas domésticas".

Para a DBRS, a vitória do PS e de António Costas nas eleições deste domingo não vai trazer grandes mudanças naquilo que tem sido a governação do país nos últimos anos. A agência canadiana antecipa uma nova Geringonça com partidos à esquerda mas, desta vez, está tranquila em relação a isso.

“Na sequência dos resultados eleitorais, esperamos que o novo Governo seja parecido com a coligação existente“, referiu Jason Graffam, analista da DBRS, que ainda na sexta-feira passada aumentou o rating da dívida da República em um nível para BBB (high).

“Talvez o mais importante seja o facto de esperarmos que o novo executivo se comporte da mesma forma. Os sucessivos governos portugueses têm mostrado um forte compromisso com políticas ortodoxas e para enfrentar os desafios económicos e orçamentais”, acrescentou o mesmo responsável.

"Talvez o mais importante é o facto de esperarmos que o novo executivo se comporte da mesma forma. Os sucessivos Governos portugueses têm mostrado um forte compromisso com políticas ortodoxas e para enfrentar os desafios económicos e orçamentais.”

Jason Graffam

Analista da DBRS

De resto, na avaliação de rating do final da semana passada, os canadianos já tinham afirmado que esperam uma “continuidade da política orçamental”, independentemente do vencedor das eleições. Agora, na nota divulgada esta segunda-feira com o título “Eleições em Portugal: À espera de mais do mesmo”, a DBRS diz não esperar mudanças, dado que “o resultado das eleições legislativas aponta para uma ampla continuidade das políticas domésticas”.

O PS venceu as eleições com 36,65% dos votos, uma resultado que dá aos socialistas 106 assentos no Parlamento. Apesar do reforço, o partido de António Costa não obteve maioria absoluta, pelo que terá de procurar apoio parlamentar para formação de governo. À esquerda, onde o PS procurará soluções, Bloco e PCP tiveram 9,67% e 6,46% dos votos, enquanto o PAN ficou com 3,28%.

PSD (27,9%) e CDS (4,25%) foram os derrotados da noite, elegendo em conjunto 82 deputados.

Iniciativa Liberal, Livre e Chega estarão representados pela primeira vez no Parlamento, tendo elegido um deputado cada.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Agência DBRS espera “mais do mesmo” com próximo Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião