António Redondo é o novo CEO da Navigator

Depois de meses de entrevistas e 'short-lists', a escolha da Semapa para a liderança da The Navigator é surpreendente. Vai ser António Redondo, que já é administrador.

Quando, em fevereiro deste ano, João Castello Branco acumulou as funções de chairman e de presidente executivo da The Navigator, substituindo Diogo da Silveira, o objetivo foi logo anunciado, e passava pela escolha de um novo gestor executivo, desejavelmente até à assembleia geral de abril, mas os meses passaram, as entrevistas também, e agora a escolha acaba por recair num homem da casa, apurou o ECO: António Redondo vai ser o próximo Chief Executive Officer (CEO) da papeleira, o porta-aviões do grupo Semapa.

Com o desaparecimento prematuro de Pedro Queiroz Pereira, o patriarca da família, o grupo mudou a governação do grupo. Era PêQêQPê o chairman “executivo” da companhia, foi contratado Heinz-Peter Elstrodt, antigo presidente da McKinsey para a região da América Latina, consultora que deixou em 2015, e gestor especializado em empresas de base familiar, como é o caso. E João Castello Branco ficou como presidente executivo da holding que gere as duas companhias, além de presidente em exercício da The Navigator depois da saída de Diogo da Silveira. Neste contexto, as três filhas de Queiroz Pereira herdaram o património do pai e, no novo contexto, passaram a administradoras não-executivas da Semapa: Filipa Queiroz Pereira, Lua Queiroz Pereira e Mafalda Queiroz Pereira.

A escolha de um novo presidente executivo foi sempre um objetivo. A Semapa contratou uma empresa de executive search e, durante meses, foram muitas as conversas e entrevistas, mas sem decisão final. Houve mais do que uma short list, mas sem resultados. Um dos nomes que esteve em cima da mesa foi de António Pires de Lima, mas a escolha acabou por ser interna. António Redondo é licenciado em Engenharia Química na Universidade de Coimbra (1987) e com MBA em Marketing na Universidade Católica. Contactada a Semapa, não confirmou a informação, mas esta acabou por ser confirmada em comunicado ao mercado.

“Informamos que, em reunião do Conselho de Administração realizada hoje [sexta-feira], foi deliberado designar, com efeitos a partir do dia 1 de Janeiro de 2020, o administrador executivo Senhor Eng.º António Redondo como Presidente da Comissão Executiva, sendo que, até essa data, o Presidente do Conselho de Administração Senhor Eng.º João Castello Branco continuará a desempenhar essas funções”, anunciou a empresa.

Acionistas esperam dividendos e CEO desafios

António Redondo é o que se pode dizer um “homem da casa”. Começou como estagiário e vai chegar a presidente da companhia papeleira, e acumula o conhecimento técnico do negócio à dimensão comercial, área que ‘tutela’ na administração da The Navigator.

Os diretores de primeira linha da The Navigator foram convocados para uma reunião, esta sexta-feira, precisamente para serem informados da escolha do acionista. O gestor, diga-se, vai assumir estas funções num momento particularmente sensível da companhia.

Os lucros diminuíram caíram 14,1% nos primeiros nove meses de 2019, para 147,5 milhões de euros, quando comparados com o mesmo período do ano passado. A papeleira atribuiu a queda a uma deterioração das condições de mercado, em particular pela queda dos preços da pasta e pelo enfraquecimento da procura de pasta e papel. Apesar disso, anunciou esta sexta-feira também que pretende usar reservas para distribuir mais de 99 milhões de euros em dividendos extraordinários (equivalente a 0,1394 euros por ação).

Por outro lado, há um conflito latente com os trabalhadores, o que talvez explique esta escolha de novo CEO, que acaba por ser surpreendente. A Navigator enfrenta uma greve de trabalhadores entre 13 e 16 de novembro de 2019, mas a administração diz que não percebe argumentos dos trabalhadores, tendo em conta as várias concessões feitas, nomeadamente os aumentos generalizados nos ordenados e subsídios, mas também a redução do horário de trabalho e o fundo de pensões. Isto além do bónus de 23 milhões já pago.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Redondo é o novo CEO da Navigator

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião