Sistel paga mais de 147 milhões de euros à Oi ao longo de 36 meses

Foi aprovado o pagamento de mais de 147 milhões de euros à operadora brasileira Oi em 36 parcelas mensais pela Sistel, referente a um excedente registado num plano de pensão.

A Oi vai receber um pagamento mensal de 18,58 milhões de reais (4,1 milhões de euros), durante 36 meses, que será pago pela Sistel relativo ao excedente de um fundo de pensão administrado por esta última. A informação foi divulgada pela operadora brasileira, num comunicado que também foi enviado à CMVM pela portuguesa Pharol.

“A Oi vem informar os seus acionistas e o mercado em geral que a Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc) aprovou a distribuição de superavit para o plano PBS-A, administrado pela Sistel”, lê-se na nota.

Em causa está um montante total superior a 669 milhões de reais (147,61 milhões de euros), pagos à Oi em 36 parcelas mensais, pagas à Oi e à subsidiária Telemar Norte Leste. Segundo a Oi, “o pagamento da primeira parcela, referente ao mês de dezembro de 2019, já foi efetuado pela Sistel”.

A Sistel, mais concretamente o PBS-A, é um fundo de pensão para o qual contribuem empresas de telecomunicações como a Oi, a Tim e a Vivo, dirigido aos colaboradores destas empresas. A 20 de maio deste ano, a Sistel anunciou num comunicado que tinha feito à Previc um “pedido de distribuição” do referido excedente, pedido que veio, assim, a ser aprovado.

Cotada na bolsa de Lisboa, a Pharol, antiga holding da Portugal Telecom, controla uma posição de 4,94% da brasileira Oi, através da subsidiária Bratel. Por sua vez, a Telemar Norte Leste detém 10% do capital da Pharol, num total de mais de 89,65 milhões de ações.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sistel paga mais de 147 milhões de euros à Oi ao longo de 36 meses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião